3 de fevereiro de 2011

Sindicato dos Jornalistas trabalha para manter exigência do diploma no serviço publico estadual

O presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina avaliou como positiva a primeira semana de atividades junto aos deputados estaduais para assegurar que a formação superior em jornalismo seja exigida para o exercício das atividades no serviço público estadual.

"Nosso empenho, assim como o trabalho incansável de parlamentares e de colegas jornalistas, que também desejam o melhor para a sociedade, deve pavimentar a validade do PL 063/2010", disse Rubens Lunge. Ele convocou os críticos aos métodos da direção do Sindicato a também trabalharem pela aprovação do Projeto de Lei.

No final do ano passado, a Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina (Alesc) aprovou por unanimidade o Projeto de Lei 063, de autoria do deputado e jornalista Kennedy Nunes. No começo de janeiro, em vista de um parecer de sua assessoria, o governador Raimundo Colombo vetou o Projeto de Lei, que retorna para a Assembléia para apreciação do veto.

“Os jornalistas, os acadêmicos de jornalismo, os pais e familiares dos estudantes dos cursos de São Miguel do Oeste, Chapecó, Xaxim, Concórdia, Xaxim, Joaçaba, Caçador, Lages, Rio do Sul, Blumenau, Itajaí, Joinville, São José, Palhoça, Florianópolis, Tubarão e Criciúma, assim como os cidadãos e cidadãs em geral, são chamados neste momento a lembrar aos deputados que o Projeto de Lei recebeu aprovação unânime na Assembléia e que, ao mesmo tempo, vai ao encontro do desejo do governo, de qualificar os servidores para que cumpram o seu papel de bem atender à população", apontou Lunge.

Ontem, (02) o deputado Kennedy Nunes informou que o governador deve liberar a sua base no parlamento estadual, no momento da votação do veto. Em conversa nesta quinta-feira com o líder da bancada do PMDB, Manoel Mota, Rubens e o jornalista Paulo Arenhart apontaram a necessidade de manutenção do texto já votado na Assembléia. "A lei reconhece o empenho daqueles que buscaram na Universidade o conhecimento para o exercício de uma profissão importante, como é o jornalismo", afirmou Lunge.

Os contatos junto aos parlamentares recomeçam na terça-feira da semana que vem, quando serão reiniciadas as sessões na Alesc. "Vamos continuar buscando o apoio dos deputados e pedimos aos cerca de 4 mil jornalistas e a todos os estudantes dos cursos de jornalismo de Santa Catarina, assim como a seus familiares e conhecidos, que enviem mensagens e conversem com os representantes de suas regiões, mostrando como é importante estudar jornalismo para exercer a profissão", comentou Rubens Lunge.

Além destas ações, o Sindicato também mantém contato com a diretoria de comunicação do governo estadual e prepara uma reunião com os jornalistas que assessoram os deputados estaduais, com vistas a abrir caminhos de diálogo com os gabinetes e assegurar o voto em defesa dos jornalistas. "Esperamos conquistar a validade do PL 063/2010 e essa conquista não será apenas nossa, pois temos a certeza de que ela fará bem ao governo e à sociedade", apontou Lunge.

Antes de ser levado ao Plenário para votação, o veto do governo deve ser analisado na Comissão de Constituição e Justiça da Alesc. O dia da análise e da votação ainda não está definido. O presidente do Sindicato disse que é importante que os colegas formados, assim como os professores dos cursos, os acadêmicos e seus familiares, que lutam tanto para manter os jovens na Universidade, participem, estando presentes à sessão. O Sindicato informará a data assim que ela for definida pela Assembléia Legislativa.

Fonte: SJSC - Silvia Agostini Pereira - jornalista (JP 3890 - SC)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Chegou até aqui, então manda o comentário...