30 de maio de 2011

Servidores da justiça paralisam atividades nesta terça-feira, 31

Trabalhadores do judiciário decidiram em assembleia na sexta-feira, 27 realizar uma série de paralisações nas principais cidades do estado. A primeira, em Florianópolis, nesta terça-feira 31 de maio das 14h às 16h vai reunir os servidores da grande Florianópolis.

Nesse horário os computadores vão permanecer desligados e os trabalhadores reunidos em frente ao Tribunal de Justiça. Reivindicam a aprovação do novo Plano de Cargos e Salários (PCS) da categoria em discussão com a administração do TJ há 10 meses.

Na quinta-feira, 2 de junho uma paralisação semelhante acontece em Blumenau. E na seqüência mais duas manifestações por semana, sempre as terças e quintas-feiras em Joinville, Chapecó, Criciúma, Tubarão, Lages e Itajaí. No dia 1º de julho acontece na capital uma Assembleia Geral.

Os servidores também vão acompanhar a sessão do Tribunal Pleno na quarta-feira 1º junho às 9h.

26 de maio de 2011

Um governo tirano mesquinho e inconsequente

Trago o comentário da professora Elianne feito na postagem sobre a carta às professores e professores divulgada pela Deputada Angela Albino:

Não podemos esquecer que não é só o pagamento imediato do piso salarial, mas que se cumpra também a Lei na íntegra; respeitando a tabela de cargos e sálarios, pois este tem sido o maior descasso, achatando salários para os professores pós graduados e reduzindo os salários dos professores que possuem graduação.

Será que vamos mostrar a face da nossa incompetência (governo) em ser um administrador dos bens públicos, tirano, mesquinho e inconseqüente? Demostrando a sua "burrice"? Talvez seja essa face que ele (governo) queira manter, para que professores qualificados se somos governados por esse tipo de administrador público??!!!!!


Elianne - professora da rede estadual de educação

25 de maio de 2011

Cine Ieda Beck recebe Mostra Pré-FAM

O Pré-FAM, mostra itinerante que antecede o FAM - Florianópolis Audiovisual Mercosul, ocorre em 45 pontos de exibição no Estado e será exibida no dia 25 de maio, às 20h, no Cine Ieda Beck. A programação é composta por filmes premiados da edição anterior do festival. A entrada é gratuita.

Nesta sessão, serão projetados 5 curtas-metragens do Brasil e de países do Mercosul. Entre as produções estão o paraguaio “Karai Norte” – o curta mais premiado do FAM 2010 –, e “Recife Frio” (melhor direção, de Kleber Mendonça Filho):

Azul, de Eric Laurence (PE)
Groelândia, de Rafael Figueiredo (RS)
O Divino, de Repente, de Fábio Yamaji (SP)
Karai Norte, de Marcelo Martinessi (Paraguai)
Recife Frio, de Kleber Mendonça Filho (PE)

A classificação indicativa é para maiores de 14 anos. A mostra Pré-FAM tem o objetivo de constituir um circuito de exibição no Estado e também descentralizar e democratizar o acesso da população a bens culturais.

O FAM chega este ano a 15ª edição e tem palco entre os dias 24 de junho e 1º de julho, no Centro de Cultura e Eventos da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina), em Florianópolis.

O Cineclube Ieda Beck é uma realização da Cinemateca Catarinense, Funcine e Prefeitura Municipal de Florianópolis e como parceiros a Fundação Franklin Cascaes e a Travessa Cultural.

As sessões acontecem quinzenalmente na Travessa Ratclif, 56, Centro, sempre ás 20h com entrada gratuita.

24 de maio de 2011

Deputada Angela Albino na assembléia conjunta do SINTE Grande Florianópolis

Angela Albino: "O ato do governador com a Medida Provisória achatando o salário dos professores é inconstitucional". Veja vídeo com a fala da deputada na assembléia conjunta do SINTE na tarde dessa terça-feira 24 de maio.

Deputada Angela divulga carta às Professoras, Professores e Estudantes de Santa Catarina


Nosso mandato recebeu centenas de e-mails, solicitando apoio à causa dos professores e professoras estaduais. Sou servidora pública e apóio a luta desta categoria que durante anos, vem sendo esquecida pelos governos estaduais.

A educação - responsável pela formação de cidadãs e cidadãos com espírito crítico, e capazes de escolherem o melhor para suas vidas, o Estado e o País - vem sendo, ano após ano, sucateada.

O salário dos professores e professoras reflete esse descaso e desrespeito para com a construção de um país livre, e socialmente justo.

Reafirmamos nosso empenho em fazer com que se cumpra o piso salarial aprovado pelo Governo, por meio da Lei Federal n° 11.738, - e julgada Constitucional pelo STF no dia 06 de abril de 2011.

Infelizmente, somos minoria na Assembleia Legislativa, apenas nove deputados de oposição. Mas nem por isso nos calaremos diante das injustiças.

Municípios como Lages, Criciúma, Jaraguá do Sul, entre outros já têm o Piso, mostrando que com a luta é possível conquistar o Piso.

Nosso mandato se compromete a lutar para que sejam atendidas as principais solicitações do Magistério Público Estadual:
- Pagamento imediato do Piso Salarial reivindicado pelo SINTE– R$ 1.587,00
- Abono das faltas das greves de 2008 e 2011 (enquanto durar a greve)
- Realização de Concurso Público para Professores
- Modificação da Lei dos ACT`s

Juntos, seremos mais fortes!

Mandato popular da Deputada Estadual Angela Albino (PCdoB)

Vereador Ricardo apoia luta das professoras e professores

As trabalhadoras e trabalhadores em educação do Estado de Santa Catarina há anos reivindicam a aplicação do Piso Nacional, aprovado por lei federal em 2008.

Não há como pensar a melhoria na educação pública, sem real investimento na área.

E investir na educação pública é pagar bem aos educadores e educadoras, propiciar que estes tenham horas-atividades para preparar as aulas, capacitar gestores e corpo técnico, investir na educação continuada e na permanente melhoria da infraestrutura.

Pensar a melhoria da educação pública, gratuita e de qualidade – concebida como um direito de todos e todas e dever do Estado - passa por questionar a valorização dos que nela atuam.

Há um processo histórico em nosso país de desvalorização da educação, e isto passa pela forma como a sociedade vê a função da escola e dos professores/as.

A desvalorização da educação chegou a um ponto, que os cursos ofertados nas Instituições de Ensino que visam formar educadores são os que tem menor procura (isso quando não fecham por falta de “demanda”).

Esta falta de interesse das novas gerações na prática docente está intimamente ligada aos baixos salários e a pouca possibilidade de mudança deste quadro.

Se no país inteiro essa categoria é vista desta forma, como desvalorizada, podemos dizer que em nosso Estado este quadro é ainda mais grave.

O Estado de Santa Catarina é o que pior paga seus professores. O salário inicial para uma professora na rede estadual (magistério) é de apenas R$ 609,00 reais!

Para tentar equalizar e normatizar os valores de salários no país (reivindicação histórica da categoria) foi aprovado em 2008 – sobre grande pressão - o piso nacional do magistério (Lei 11.738/2008).

No entanto alguns Estados – como Santa Catarina – entraram com ações questionando a lei federal (ADI) e isto tramitava até que no começo do ano de 2011, o Supremo Tribunal Federal julgou improcedente a ação direta de inconstitucionalidade e decidiu pela aplicação imediata do piso.

Os professores e professoras estão mobilizados na luta pela efetivação deste direito (que lhes é negado desde 2008) e reivindicam ainda questões que estão no PNE, como o aumento das horas atividades.

Como cidadão, médico e funcionário público, apoio esta luta, colocando o mandato à disposição, pelo entendimento de que a valorização docente é parte da luta cotidiana pela melhoria na qualidade da educação e parte imprescindível da construção de um projeto de nação soberana.

22 de maio de 2011

Figueirense 1 x 0 Cruzeiro

Figueira estreia com vitória. Três pontos na tabela. 100% de aproveitamento. Enquanto isso o Avai segura a lanterna.

21 de maio de 2011

20 de maio de 2011

IMPASSE - Documentário sobre transporte coletivo ganha nova versão e será disponibilizado de graça na internet

No dia 31 de maio de 2010, a Polícia Militar invadiu a Universidade Estadual de Santa Catarina (UDESC) e prendeu estudantes que protestavam contra o aumento da tarifa do transporte coletivo.

Exatamente cinco anos antes, no dia 31 de maio de 2005, um policial militar foi flagrado espancando um militante do Passe Livre na Beira-Mar Norte.

As duas cenas estão no documentário Impasse, obra sobre o transporte coletivo em Florianópolis, e que tem o apoio do SINJUSC.

Para trazer à memória esses fatos, para divulgar e debater com um público ainda maior os graves problemas do transporte coletivo na Capital, será lançada no próximo dia 31 de maio uma nova versão do documentário.

Mais curta e ainda mais impactante que a original, esta versão de 52 minutos será disponibilizada no site http://www.filmesquevoam.com.br/. As pessoas poderão assistir, baixar e copiar o documentário. Tudo de graça.

Além de cenas que não foram exibidas em nenhuma tevê, incluindo flagrantes de violência, Impasse revela o que pensam usuários, empresários e representantes dos governos municipal e estadual.

O documentário, realizado pela produtora Doc Dois, foi dirigido por Juliana Kroeger e Fernando Evangelista, jornalistas com experiências em coberturas de conflitos no Oriente Médio, na África e na Europa.

O lançamento da primeira versão, em setembro do ano passado, reuniu 700 pessoas na UFSC e provocou uma manifestação espontânea que percorreu a Beira-Mar Norte.

19 de maio de 2011

STF garante piso estadual a todos os trabalhadores

O Piso Estadual de Salários é um direito de todos os trabalhadores catarinenses. Esta foi à conclusão a que chegou o Supremo Tribunal Federal ao julgar a Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pela Fiesc/CNI e pela Fecomércio. A ADI questionava a Lei Estadual Complementar nº 459/2009 que instituiu o Piso Estadual de Salário.

Ao contrário do que vem sendo divulgando pela Fiesc, o STF reafirma o direito de todos os trabalhadores de receber o Piso Estadual estabelecido pela Lei, mesmo aqueles que possuam Convenção Coletiva. Segundo o texto publicado na página 47 do Acórdão “as entidades sindicais continuarão podendo atuar nas negociações coletivas, desde que respeitado o patamar mínimo legalmente assegurado”.

Segundo o presidente da Federação dos Trabalhadores no Comércio no Estado de Santa Catarina Francisco Alano a decisão do STF confirmar a posição defendida pelo movimento sindical de que o piso é o valor mínimo a que tem direito o catarinense. “É impensável que trabalhadores organizados e representados por seus sindicatos recebam salários inferiores àqueles que sequer possuam sindicatos”, declarou.

Assim, contrariando o pedido da FIESC e de outras entidades patronais, a decisão do STF foi, não apenas pela constitucionalidade e manutenção da Lei 459/09, mas também pelo direito de todo catarinense a receber o piso estadual de salário.

Leia nota sobre o assunto divulgada pelo DIEESE
 
Prezados Companheiros:
Considerando que vêm sendo veiculadas em órgãos de imprensa e em sites patronais notícias difundidas pela FIESC- Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, a respeito da decisão tomada pelo Supremo Tribunal Federal- STF sobre a Ação Direta de Inconstitucionalidade da Lei Estadual Complementar nº 459/2009 de SC, lei esta que instituiu a partir de 01/01/2010 o Piso Estadual de Salário, o DIEESE-SC vem por meio desta esclarecer o que segue:

1. O STF julgou no dia 02 de março de 2011 a Ação Direta de Inconstitucionalidade - ADI nº 4364, movida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC (patronal). Esta ação pretendia que a Lei 459/09 fosse considerada inconstitucional e, portanto, extinta.

2. Contrariando o pedido da CNC e de outras entidades patronais, a decisão do STF foi pela Constitucionalidade da Lei 459/09 de SC e pela sua manutenção.

3. Na decisão, o STF derrubou as teses de inconstitucionalidade apresentadas pela entidade patronal autora da ação e manteve a Lei Estadual, ressalvando apenas que o Governo do Estado não pode participar das negociações para o estabelecimento do reajuste do piso estadual, ficando as negociações sob a responsabilidade dos trabalhadores e dos empregadores (na verdade como ocorreu com o reajuste de 01/01/2011 do piso estadual, fruto da negociação entre as entidades de trabalhadores e patronais, tendo o Governo do Estado efetuado apenas o encaminhamento da proposta à Assembléia Legislativa, para aprovação através da Lei nº 533/2011).

4. Outro ponto importante da decisão do STF que tem sido distorcido pelas notícias veiculadas é quanto à aplicação do piso estadual aos trabalhadores que possuem convenção ou acordo coletivo. Estabelece textualmente o STF na 70ª Ata de Publicação de Acórdãos publicada no Diário da Justiça Eletrônico de 13/05/2011 contendo e Ementa da decisão da ADI nº 4364 (cópia anexa):

“6 - A fim de manter-se o incentivo à negociação coletiva (art. 7º, XXVI, CF/88), os pisos salariais regionais somente serão estabelecidos por lei naqueles casos em que não haja convenção ou acordo coletivo de trabalho. As entidades sindicais continuarão podendo atuar nas negociações coletivas, desde que respeitado o patamar mínimo legalmente assegurado.” (grifo nosso).

Ou seja, o STF assegura a prevalência dos pisos negociados em convenção ou acordo coletivo, desde que não estejam abaixo do estabelecido na lei, pois, se “as entidades sindicais continuarão podendo atuar nas negociações coletivas DESDE QUE RESPEITADO O PATAMAR MÍNIMO LEGALMENTE ASSEGURADO”, os pisos negociados em convenção ou acordo coletivo que estiverem abaixo dos valores estabelecidos na lei estadual estão desautorizados.

A decisão do STF encontra total amparo no Artigo 117 da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT, que estabelece o seguinte:

“Art. 117 – Será nulo de pleno direito, sujeitando o empregador às sanções do art. 121, qualquer contrato ou convenção que estipule remuneração inferior ao salário mínimo estabelecido na região em que tiver de ser cumprido.”

Sendo o que se nos reserva para o momento e colocando-nos à disposição para os esclarecimentos e encaminhamentos que se fizerem necessários,

Saudações,

Ivo Castanheira
Coordenador Sindical do DIEESE em SC

Fonte: Fecesc e Dieese

17 de maio de 2011

Aos 56 anos, Sindicato dos Jornalistas presente na luta

No dia 13 de maio de 2011, o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina completou 56 anos de lutas por melhores condições de trabalho e renda, em defesa da regulamentação profissional, da qualificação pela formação superior em jornalismo, entre outras tantas lutas que fazem parte da história dos trabalhadores. A seguir um artigo do presidente da entidade, Rubens Lunge, sobre a data.


Por: Por Rubens Lunge

Aos 56 anos neste 13 de maio, o Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina busca incessantemente cumprir o seu importante papel. Entidade de base estadual, e independente do tipo de empresa em que se encontram os jornalistas, age em defesa da regulamentação profissional, da qualificação pela formação superior em jornalismo, do respeito às leis, do cumprimento dos acordos e convenções, e, sempre incansável, busca melhores condições de trabalho e renda.

Se colocarmos no seu tempo histórico cada movimento das lideranças, e da categoria, que atuaram e atuam no Sindicato, os jornalistas de Santa Catarina tem muito a comemorar, assim como tem muito para refletir, debater e, especialmente, iluminar o caminho que já foi e o que virá.

Ao olharmos para o passado mais próximo e o presente, sem desconsiderar as ações desenvolvidas desde a fundação do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, verificamos ações positivas e propositivas para os jornalistas em todos os segmentos de atuação da categoria.

Destacam-se, com ênfase no recente histórico, duas conquistas importantes. A de grande impacto para a sociedade foi a derrubada do veto do governador ao Projeto de Lei apresentado pelo deputado estadual Kennedy Nunes, que exige a formação superior em jornalismo para o ingresso no serviço público estadual. A outra é uma conquista de 7,2% de ganho real no piso salarial da categoria a partir de 2007 até este ano de 2011.

Se em algum tempo principalmente os jornalistas das empresas que atuam com meios de comunicação tiveram que lutar bravamente para não perder sequer a reposição da inflação – e em alguns anos isso efetivamente ocorreu -, agora podemos dizer que a categoria, pouco a pouco, vem recompondo seu poder aquisitivo. É preciso considerar que o piso estadual ainda é baixo. A condução e a luta da categoria, nos próximos períodos, é que irão determinar os avanços nas questões específicas de salário.

A atual Direção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina tem sido protagonista por inteiro na história da categoria em Santa Catarina, não apenas nas lutas por melhores salários ou na defesa da formação para o exercício da atividade, essencial para a sociedade moderna. Também provocou e apoiou debates sobre diversos temas, e entre eles, o jornalismo em Cuba e Honduras, e o fazer diário dos repórteres-fotográficos e assessores de imprensa no serviço público, e chamou a sociedade para falar e se opor ao oligopólio da comunicação.

Aos 56 anos e revigorado, o Sindicato dos Jornalistas sempre terá uma tarefa inconclusa, pois é da sua natureza lidar com situações de conflito e de limites, nas quais se envolvem pessoas e as suas mais diferentes compreensões, posições e pensamentos.

Se além das conquistas há lutas importantes a serem levadas em conta, é preciso destacar a defesa da emenda constitucional que repõe a formação dos jornalistas no seu devido e histórico lugar, e é preciso considerar que, dinâmica, a sociedade aponta limites ao jornalismo e aos jornalistas, e que é a esta sociedade, antes de qualquer outro compromisso, que os jornalistas devem responder.

Aos 56 anos do Sindicato dos Jornalistas, é preciso reafirmar o compromisso sobre a importância do papel social do jornalismo e dos jornalistas e, por conseguinte, do Sindicato, que representa, abriga, resguarda e defende os valores para o exercício profissional.

13 de maio de 2011

Jornalista Osíris Duarte fala de experiência no FSM realizado na África

Osíris Duarte, jornalista, durante 22 dias percorreu três países africanos com um objetivo claro: contar histórias. Apenas com uma câmera fotográfica e a meta inicial de realizar uma cobertura jornalística para Sindicatos Catarinenses do Fórum Social Mundial 2011 em Dakar - Capital do Senegal - teve a oportunidade de vivenciar mais do que as discussões sobre política, sociedade e cultura.

Depois de seis dias em Dakar, seguiu viagem em direção ao arquipélago de Cabo Verde e em seguida para a República da Guiné Bissau. Nesses três países, com realidades e contextos sociopolíticos diferentes, pôde experimentar um pouco da realidade dos africanos.

“A África é um continente com uma das maiores diversidades étnicas, culturais e religiosas do planeta. Sendo assim, seria impossível não trazer na bagagem, além das fotos e suvenires, um monte de histórias curiosas, peculiares, interessantes e informativas”.

Osíris pode acompanhar, durante o FSM, a queda de Hosni Mubarak no Egito e a festa dos militantes egípcios em Dakar. Viu a beleza das ilhas de Cabo Verde e o poder da influência da cultura e da mídia brasileira naquele país. Na Guiné Bissau viveu a realidade de um povo que se recupera de anos de guerra civil e exploração internacional.

Essas e outras tantas histórias, impressões e constatações tu também podes ouvir durante o "Seminário Nosso eu Africano – Uma viagem particular pela realidade da África," terça-feira, dia 29 de março, no auditório do SINTUFSC. Lá, Osíris te espera esperando partilhar essas histórias de luta e beleza..

Seminário: Nosso eu Africano – Uma viagem particular pela realidade da África
Quarta-feira, dia 18 de maio, às 18h30min no auditório do Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região. Rua Visconde de Ouro Preto, 308, Centro, Florianópolis

Osíris Duarte é jornalista profissional, Bacharel em Comunicação Social com habilitação em jornalismo pela Universidade do Vale do Itajaí em 2005, fotógrafo, blogueiro e assessor de imprensa do Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região.

Entidades que apóiam este evento: Fetec/SC - SEEB Florianóplis e Região - SEEB Blumenau - Sindprevs/SC - Sindes - Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina.

Ato pela democracia e ética na política


O conselho político vereador suplente Lino Peres divulgou nota convidando para um ato pela democracia e ética na política no dia 12 de abril, às 19h no Plenarinho da Câmara de Vereadores. O ato já passou, mas como a postagem que eu coloquei aqui ontem misteriosamente sumiu, estou postando o texto nomamente.

Olá Companheir@
Há exatos 22 dias atrás, no dia 19 de Abril de 2011, o prefeito da Capital, senhor DÁRIO BERGER, numa manobra política exonerou o Secretario de Turismo, Marcio de Souza, ex-membro licenciado do Partido dos Trabalhadores, para que o mesmo reassumisse o cargo de titular na Câmara de Vereadores.

Como é do conhecimento de todos, diversas vezes o Direção do PT Municipal tem apresentado resoluções políticas e programáticas se posicionado em oposição ao Governo do Prefeito Dario Berger. Porem, mesmo assim Marcio de Souza num ato de infidelidade partidária, sem debater com o PT Municipal ao qual seu mandato de vereador pertence e deve fidelidade política, foi comandar a Secretaria de Turismo em obediência aos desejos do prefeito, contrariandop a posição do seu próprio partido.

Porem com a saída do Márcio do cargo de vereador assumiu o seu suplente Professor LINO PERES. Eles, Dario e Marcio, sabiam disso e por conhecerem a postura política do LINO, de apoio e promoção das lutas e demandas dos movimentos sociais, desde o inicio mandavam recados pela imprensa de que dependendo das ações do LINO na Câmara de Vereadores, o seu mandato não duraria mais que dois meses.

LINO assumiu o cargo de vereador e em aliança com o vereador Ricardo, fez da Câmara de Vereadores espaço de embate político em defesa da cidade, da ética na política, de autonomia dos poder legislativo frente ao executivo, pelo atendimento das demandas da sociedade.

Em paralelo os movimentos sociais passaram para a retomada dos debates e das mobilizações políticas pela gestão democrática do Plano Diretor Participativo; pela gestão pública do transporte coletivo; pelas salvaguardas sócio-econômicas e ambientais das Baías; pela fiscalização e controle social das obras do PAC, particularmente no Maciço do Morro da Cruz, e dos demais recursos públicos; e pela definição e aprovação do Plano Municipal Integrado do Saneamento Básico.

Juntam-se a esta conjuntura política, a ação de seis vereadores com a assinatura do Vereador LINO PERES ao pedido de abertura de CPI para apurar as denúncias de corrupção na gestão financeira e política da AFLOV (Associação Florianopolitana de Voluntários), presidida pela primeira-dama do Município, entidade que explora sete estacionamentos no Centro da cidade, sem licitação e transparência na aplicação dos recursos.

Diante disso, logo após se tornar público o pedido de CPI, o Prefeito Dario Berger faz a exoneração do Secretario de Turismo para que seu fiel escudeiro Marcio de Souza, volte à Câmara de Vereadores na vaga do LINO para abafar e impedir as ações autônomas da Câmara e a instalação da CPI da AFLOV. Uma verdadeira safadeza e estelionato eleitoral com o PT, seus filiados e eleitores que em 2008 pensavam ter eleito um vereador do PT, para o PT e de acordo com seu programa político e eleitoral.

Por isso, nós do Conselho Político do Mandato do LINO, vimos a público informar nossas ações em defesa da democracia e pela ética na política:

1. Reafirmamos nosso irrestrito apoio à permanência do Professor LINO PERES no mandato do PT;
2. Apoio ao pedido de Comissão de Ética feita pelo LINO ao PT para apuração de quebra de fidelidade partidária do senhor Marcio de Souza, frente às resoluções do partido, estatuto, regimento, código de étiva e disciplina partidária e da carta compromisso de campanha;
3. Realização de ATO PELA DEMOCRACIA E ÉTICA NA POLITICA, pela instalação imediata da CPI DA AFLOV e pela soberania e autonomia da Câmara de Vereadores frente ao Executivo Municipal.

Assim sendo estamos convidando todos vocês do Fórum da Cidade que participem ativamente também deste processo em defesa da cidade e de apoio as ações do nosso companheiro e militante popular professor LINO PERES.

Em especial pedimos que assinem o ABAIXO-ASSINADO pela permanência do LINO como titular de vereador do PT e também venham participar do ATO PELA DEMOCRACIA E ÉTICA NA POLITICA, que será realizado no dia 12 de abril, nesta próxima quinta feira as 19h no Plenarinho da Câmara de Vereadores.

Conselho político vereador suplente Lino Peres

10 de maio de 2011

Angela Albino: " O PCdoB é o único partido da minha vida"

A deputada estadual Angela Albino (PC do B) informa que é falsa a informação segundo a qual estaria deixando o PC do B e assinando ficha no PSD.

Angela, que é presidente estadual do PC do B em Santa Catarina, participou durante todo o final de semana, nas regiões Oeste e Meio-Oeste das comemorações do 89º aniversário do partido.

Na semana passada, o secretário nacional de organização Walter Sorrentino anunciou, inclusive, que a deputada é a pré-candidata do PC do B à prefeitura da Capital em 2012.

- A informação é improcedente, totalmente falsa. Tenho um partido e vai ser o único partido da minha vida – afirmou a deputada na tarde desta segunda-feira.

6 de maio de 2011

Piso dos jornalistas será de R$ 1.395,68, a partir de maio

O Banco Central do Brasil anunciou nesta sexta-feira, 6, o Índice de Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) de abril (0,72%), resultando um acúmulo anual de 6,30%, contabilizados desde maio passado a abril deste ano.

Conforme a Convenção Coletiva de Trabalho vigente, os jornalistas catarinenses que recebem o piso salarial (R$ 1300) para 150 horas mensais de trabalho, passarão a receber R$ 1395,68, a partir do salário de maio deste ano.

Esse acréscimo de 7,36% é resultado da soma do INPC anual (6,30%) mais um por cento de ganho real. Ao mesmo tempo, os profissionais contratados com salário acima do piso terão aumento de apenas 6,30% na folha de pagamento. Fonte SJSC

2 de maio de 2011

Seminário sobre Saúde do Trabalhador

Nesta quinta-feira, dia 5 de maio, o Sindes realiza o Seminário sobre Saúde do Trabalhador. O evento será realizado às 16 horas, no auditório do Sindicato dos Bancários de Florianópolis e Região, mesmo prédio onde fica a sede do Sindes.

Os palestrantes serão Mário Jorge Maia (Marinho), coordenador Geral e Diretor em Saúde do Trabalhador do Sinergia, e Elisa Ferreira, psicóloga e assessora em saúde do trabalhador do Sindprevs/SC.

O Seminário será aberto à categoria e a dirigentes sindicais. As inscrições devem ser feitas pelo email: sindes@sindes.org.br. Mais informações pelos telefones (48) 3028-4537 ou (48) 9901-8927