30 de novembro de 2011

Em defesa da Cultura e da Arte

A Travessa Ratclif, que é hoje um dos principais pontos de encontro no centro de Floripa por conta das atividades da Travessa Cultural, Jazz e Samba do Bar Canto do Noel, todas gratuitas, têm sido alvo de processos e denúncias de alguns poucos vizinhos que acabaram por conseguir a suspensão total das atividades abertas ao público, queixando-se do “barulho” da música, embora esses eventos primem pelo respeito ao horário limite das 22hs.

Tendo em vista que nesta sexta, dia 02 de dezembro é o Dia Nacional do Samba, os comerciantes e a rede de parceiros do local estão programando uma manifestação, com concentração a partir das 17 horas e saída da Travessa Ratclif, com destino ao Mercado Público (onde estará acontecendo o grande evento de comemoração ao Samba), em favor da cultura, da arte e do desenvolvimento social.

Tradicional reduto cultural de Florianópolis, ponto de encontro de intelectuais, músicos, poetas, teatristas, jornalistas, artesãos e boêmios, sambistas, moradores das comunidades do Maciço do Morro da Cruz, por décadas abrigando o Museu da Arte Metálica, a Travessa assumia as fantasias carnavalescas com o Desfile das Escolas de Samba desde sua transferência para suas imediações na Avenida Paulo Fontes até a criação do Sambódromo em 1989.

Hoje, o local abriga um Ponto de Cultura e várias atividades artísticas, gratuitas a todo público, como o Jazz e Sambas do Canto do Noel , o Clube de Compositores Travessa do Samba e cursos no Instituto Arco-Íris, e tem a pretensão de contribuir com os inúmeros projetos como o de Revitalização do Centro Histórico do CDL e PAC (Plano de Aceleração do Crescimento) das Cidades Histórias.

Hoje, com a remoção do principal terminal de transportes, a região leste do Centro perdeu sua pujança com a diminuição do tráfego de pessoas. Esses fatores implicam numa necessidade imperiosa de revitalização da ocupação desta área, resgatando sua vocação gastronômica e cultural, conforme manifesta o próprio CDL de Florianópolis, propiciando atividades que sejam atrativas à população local de forma a incentivar investimentos em restaurações do patrimônio histórico e atrair, também, o turista visitante, fomentando o desenvolvimento sócio-econômico da região.

Travessa Cultural, além de ser um Ponto de Cultura é, também, uma rede de parcerias que tem como foco a questão o desenvolvimento sócio-cultural através das artes, da comunicação e da inclusão digital.

27 de novembro de 2011

Coritiba 1 x 0 Avaí

Avaí só cumprindo tabela e esperando pele clássico.

Figueirense 0 x 1 Corinthians

Ainda dá Figueira. Vamos pra Libertadores. Esperanodo pelo clássico

40 anos da morte do Barão de Itararé - Um dos criadores da imprensa alternativa

Barão de Itararé – pseudônimo irreverente do jornalista gaúcho Apparício Torelli (1895-1971) – é considerado um dos criadores do jornalismo alternativo no país e o pai do humorismo brasileiro.

Com os jornais A Manha e Almanhaque, ele ironizou as elites, criticou a exploração e enfrentou os governos autoritários.

Preso várias vezes, ele nunca perdeu o seu humor. Itararé é o nome da batalha que não houve entre a oligarquia e as forças vitoriosas na revolução de 1930.

Frasista genial, ele cunhou incontáveis pérolas. Cansado de apanhar da polícia secreta do Estado Novo, colocou na porta do seu escritório uma placa com a hoje famosa frase “entre sem bater”.

Político sagaz, ele percebeu a guinada progressista de Getúlio Vargas e respondeu aos críticos udenistas: “Não é triste mudar de ideias; triste é não ter ideias para mudar”.

Militante do Partido Comunista do Brasil (PCB), Apparício foi eleito vereador pelo Rio de Janeiro em 1946 com o lema “mais leite, mais água e menos água no leite” – denunciando fraudes da indústria leiteira.

Seu mandato foi combativo e irreverente. Segundo o então senador Luiz Carlos Prestes, “o Barão não só fez a Câmara rir, como as lavadeiras e os trabalhadores. As favelas suspendiam as novelas para ouvir as sessões que eram transmitidas pela rádio”.

Ele teve o mandato cassado juntamente com a anulação do registro do PCB, em 1947, e declarou solenemente: “Eu saio da vida pública para entrar na privada”. O seu jornal, A Manha, foi novamente empastelado e, com dificuldades financeiras, escreveu: “Devo tanto que, se eu chamar alguém de ‘meu bem’, o banco toma”.

Diante da crise que resultou no suicídio de Getúlio Vargas, em 1954, ele afirmou: “Há qualquer coisa no ar, além dos aviões de carreira”. Barão de Itararé foi um crítico dos jornais golpistas de Assis Chateaubriand e Carlos Lacerda e um entusiasta da imprensa alternativa.

Após o golpe de 1964, ele passou por várias privações, mas manteve a sua máxima: “Nunca desista de seu sonho. Se acabou numa padaria, procure em outra”. Faleceu em 27 de novembro de 1971. Fonte baraodeitarare.org.br

25 de novembro de 2011

30 anos do DIEESE em Santa Catarina

O Escritório Regional do DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos e Socioeconômicos) em Santa Catarina comemorou no dia 23 de novembro 30 anos de instalação no Estado. Para marcar este momento histórico foram realizadas diversas atividades.

À noite uma Sessão Especial no Plenário da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina homenageou a entidade e à tarde foi realizada uma Conferência: “Trabalho Decente no Brasil” com o diretor técnico do DIEESE, Clemente Ganz Lúcio, durante a última assembléia dos filiados.


A assembléia realizada no auditório do SINJUSC contou com a presença também de representantes de todas as Centrais Sindicais e da Presidenta Nacional da entidade Zenaide Honório.

Também foi produzido um vídeo de entrevistas com o Dieese na TVFloripa que se encontra no seguinte sítio: http://www.youtube.com/watch?v=izDB9T3NMoo

O Escritório Regional de Santa Catarina foi formalmente fundado na Assembléia Nacional de Sócios do DIEESE, ocorrida em 26 de novembro de 1981.

Antes disso, várias discussões a respeito da criação do DIEESE em Santa Catarina vinham ocorrendo, especialmente no início dos anos 70, quando era forte o peso da ditadura sobre a sociedade.

Era um período em que a força do movimento sindical de Santa Catarina estava nas federações.

A Fecesc (Federação dos Trabalhadores no Comércio no Estado), que encabeçava a proposta de criar um Escritório do DIEESE em Santa Catarina, mais a Federação dos Metalúrgicos, o Sindicato dos Comerciários de Criciúma, o Sindicato dos Metalúrgicos de Timbó, o Sindicato dos Bancários de Joinville e o Sindicato de Energia Termelétrica de Tubarão criaram então uma comissão provisória para discutir a implantação do DIEESE.

A primeira direção regional do DIEESE em Santa Catarina, eleita em novembro de 1981, foi composta pelas seguintes entidades: FT Construção e no Mobiliário de Santa Catarina, FT Comércio no Estado de Santa Catarina, FTI Metalúrgicas de Santa Catarina. Como suplentes ficaram STI Metalúrgicas de Jaraguá do Sul, SE Comércio de Blumenau, STI Energia Elétrica de Tubarão.

Durante 25 anos de atuação, o Escritório Regional de Santa Catarina teve apenas dois supervisores: Afrânio Tadeu Boppré (1984 a 1992) e José Álvaro de Lima Cardoso (desde 1992 ).

A primeira subseção foi instalada nos Eletricitários de Florianópolis, em 1987, onde permanece até hoje.

Funcionaram subseções também no Sindicato dos Bancários, Fetiesc (FT Indústrias de Santa Catarina) e Sintae (STI Purificação e Distribuição de Água de Santa Catarina). Com informações do sítio do DIEESE.

20 de novembro de 2011

Figueirense 0 x 4 Fluminense

E o Figueira caiu de 4. Mas a torcida apoiou o time até o último minuto. Os jogadores sairam apludidos de campo. Agora é encararo Corinthians e depois sepultar o Avai.

18 de novembro de 2011

Quem escolhe o presidente do Tribunal de Justiça?

Quatro milhões e meio de eleitores em Santa Catarina elegem o Governador do Estado, chefe do Poder Executivo. Também são esses eleitores que escolhem os 40 deputados estaduais, representantes do Poder Legislativo. Mas no Judiciário é diferente. Os cidadãos não podem opinar. São apenas os 60 desembargadores que definem entre si quem irá presidir o Tribunal de Justiça. Este é o mote do vídeo lançado pelo SINJUSC em parceria com a TVFloripa cujo objetivo é provocar o debate sobre o processo de escolha do presidente do TJSC. Está disponível no You Tube e também está sendo veiculada na TVFloripa canal 4 da NET.


A questão vem à tona neste momento, por ser este um ano eleitoral no Poder Judiciário. No início de dezembro os 60 desembargadores escolhem, entre seus pares, aquele que irá presidir o Tribunal de Justiça pelos próximos dois anos. Mas quais são os valores defendidos pelos candidatos? Quais as propostas sobre temas de interesse dos servidores dos advogados e da população?

O vídeo de 50 segundo faz parte de uma campanha mais ampla cuja proposta é apresentar a reflexão sobre qual justiça interessa à população de Santa Catarina. Não apenas desembargadores, magistrados ou servidores devem dizer qual é o judiciário que querem, mas principalmente os eleitores do Estado.

17 de novembro de 2011

Flamengo 0 x 0 Figueirense

Vacílo do Aloísio no penalti mas mesmo com o empate Figueira continua na quarta posição e na Libertadores. Agora são três jogos em casa.

Avai 0 x 0 Cruzeiro

Não sei não mas acho que é o fim da linha.

10 de novembro de 2011

Sujeira

Enquanto a lei da ficha limpa estiver sendo julgada por ministro sujeira, não vai haver faxina.

5 de novembro de 2011

4 de novembro de 2011

Trabalhadores recolhem assinatura pelo reajuste do piso estadual

O abaixo assinado está disponível para impressão no site http://www.fecesc.org.br/.

Temendo que a espera pelo reajuste do piso estadual se repita como no ano passado, os trabalhadores estão colhendo assinaturas em um abaixo assinado para a entrada de um Projeto de Lei de iniciativa popular na Assembleia Legislativa estipulando o valor do reajuste. Segundo o coordenador sindical do DIEESE/SC Ivo Castanheira, “a medida é de precaução, caso os trabalhadores não tenham sucesso nas negociações”.

A coleta das assinaturas está sendo realizada por sindicatos e entidades ligadas aos trabalhadores dos mais diversos segmentos por todo o estado. Na próxima semana, durante os dias 16, 17 e 18, está previsto um mutirão de recolhimento pelas ruas de Florianópolis.

A expectativa dos trabalhadores é de que, assim como no ano passado, o acordo seja estabelecido, porém, eles temem pela lentidão do Governo do Estado. O receio é de que, depois de feito o acordo, o Governo do Estado demore a encaminhar o projeto para a Alesc como fez anteriormente. É importante para todos os trabalhadores catarinenses que a matéria seja votada pelos deputados antes do recesso.

A Lei Complementar Estadual nº 459/2009 estabelece que o valor do reajuste deve ser negociado entre patrões e empregados. Após isso, o governo do Estado encaminha a proposta à Assembleia Legislativa para que seja votada. Se não houver acordo entre as partes interessadas, o próprio governo pode definir o percentual do reajuste.

Os trabalhadores reivindicam o mesmo reajuste que será aplicado ao Salário Mínimo nacional, ou seja, o percentual correspondente ao PIB de 2010 e o percentual acumulado do INPC do ano de 2011. “Ao acumular esses dois índices, teremos algo em torno de 14% de reajuste”, explicou Castanheira. Desta forma, a menor faixa do piso salarial estadual passaria de R$ 630,00 para cerca de R$ 718,00 e a maior faixa de R$ 730,00 para R$ 832,00. Fonte: FECESC