31 de março de 2011

Formação superior será exigida para contratação de jornalistas no serviço público de SC

O sentimento de vitória tomou conta dos jornalistas nesta quarta-feira, 30, em Santa Catarina. Por vinte e quatro votos a um, os deputados estaduais rejeitaram, em votação secreta da sessão ordinária da Assembleia Legislativa, o veto ao Projeto de Lei 63/2010, que torna obrigatória a exigência da formação superior em jornalismo para contratação de profissionais para o exercício da função no serviço público catarinense.

Aprovado por unanimidade em dezembro passado, o PL 63/2010, de autoria do deputado e jornalista Kennedy Nunes, sofreu veto total pelo governador Raimundo Colombo, em janeiro, e acabou sendo o primeiro veto do Executivo rejeitado pelo Legislativo, em 2011.

Apesar de ter um voto a favor da manutenção do veto, não houve nenhuma manifestação nesse sentido, no Plenário. A maioria dos parlamentares, inclusive, se declarou a favor do texto e aderiu ao uso de adesivos da Campanha em Defesa da Profissão de Jornalista, do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC) e da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

“A rejeição ao veto do PL63/2010 significa qualidade no serviço público e especialmente no jornalismo prestado à sociedade. Além de atender a uma reivindicação histórica da categoria, transformar esse projeto em lei demonstra respeito a toda sociedade catarinense, destacando estudantes e professores dos 16 cursos de jornalismo existentes em Santa Catarina”, analisa Rubens Lunge, presidente do SJSC. Desde que os deputados tomaram posse na Alesc, em 1° de fevereiro, Lunge compareceu no local, quase todos os dias da semana, em busca de apoio ao projeto.

Ainda que o governo do Estado tenha se comprometido a contratar somente jornalistas com formação superior específica, o SJSC trabalhou de forma que esse requisito fosse mantido. “A partir de agora, vamos batalhar para aprovar essa Lei também nos municípios do estado e também no país”, completou o presidente sindical.

Pensando nisso, quarta-feira passada, 23, Lunge e os diretores Cláudio Silva da Silva e Hilton Maurente entregaram proposta de projeto com teor parecido para a Secretária de Comunicação Social de Joinville, Rosiméri Comandolli. A Secretária disse que encaminharia o documento ao prefeito Carlito Merss (PT).

Fonte: SJSC - Autor: Silvia Agostini Pereira (MTb/SC 3890- JP)

30 de março de 2011

Vitória dos jornalistas

Jornalistas Catarinenses podem comemorar. Por 24 votos a um os deputados estaduais derrubaram na tarde dessa querta-feira, 29 de março, o veto do Governador Raimundo Colombo ao PL63/2010 de autoria do deputado Kennedy Nunes. Agora será exigida a formação superior específica para o acesso de jornalistas no serviço público catarinense. O tema é cercado de polêmicas, sem dúvidas. No entanto representa um passo importante de uma categoria que nos últimos anos acumulou derrotas. A batalha rumo a exigência do diploma para o exercício do jornalismo em todas as instâncias não está ganha, mas andou.

29 de março de 2011

Pela derrubada do veto ao PL 63/2010 na Alesc

Na sessão do dia 30, na Assembleia Legislativa do Estado, será apreciado o veto do governador Raimundo Colombo ao PL 63/2010, que exige a formação superior específica para o acesso de jornalistas no serviço público catarinense.

O PL foi aprovado por unanimidade, em dezembro, na Alesc, mas vetado pelo governador em janeiro. Com prazo para apreciação expirado dia 05, último, negociações entre os deputados e Sindicato transferiram a votação para quarta-feira.

Mesmo tendo a declaração de 29 dos 40 parlamentares de apoio ao PL, é preciso que profissionais e estudantes estejam na assembleia para mostrar que profissionais e estudantes querem qualidade no jornalismo, no serviço público.

Esta semana, o presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, Rubens Lunge, visitou os cursos de jornalismo da UFSC, Unisul-Pedra Branca e Estácio de Sá para convidar alunos e professores a comparecerem à sessão ordinária da Assembleia Legislativa desta quarta-feira, 30, a partir das 14 horas. Venha você também.

24 de março de 2011

A importância do piso estadual de salários em Santa Catarina

Artigo do Dirigente da FECESC e coordenador sindical do DIEESE em Santa Catarina - Ivo Castanheira e do Economista e supervisor técnico do DIEESE em Santa Catarina - José Álvaro Cardoso.


O Governo Estadual recentemente sancionou o reajuste dos pisos estaduais de salários, seguindo à risca o Termo de Compromisso assinado entre centrais sindicais e entidades patronais de Santa Catarina, fruto de negociação coletiva.

O processo de negociação do reajuste dos pisos, sem dúvida foi um marco importante nas relações entre capital e trabalho em Santa Catarina, pela complexidade do tema e pelo desfecho favorável para ambos os lados. A negociação exigiu também unidade de propósito das centrais e capacidade de organização do movimento sindical catarinense.

Mas o acordo foi ainda mais fundamental pela repercussão que os pisos estaduais exercem sobre os salários em Santa Catarina (especialmente sobre os mais baixos) e, por conseqüência, sobre o nível de atividade econômica, comércio e a indústria catarinenses.

Antes da vigência dos pisos estaduais no Estado, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Sócioeconômicos (DIEESE) elaborou estudos com o objetivo de estimar o número de trabalhadores cujos salários seriam atingidos pela Lei Complementar nº 459/09, que implantou os pisos a partir de janeiro de 2010.

A última estimativa feita, em 2009, indicava que potencialmente acima de 518 mil trabalhadores catarinenses poderiam ser diretamente beneficiados pelo piso estadual, considerando apenas o de menor valor à época, R$ 587,00. Dessa conta estavam excluídos os trabalhadores sem carteira, e os trabalhadores por contra própria, cujos salários em parte se referenciam pelo mínimo oficial. Ficaram de fora da estimativa, também, os pisos salariais das categorias.

Passado pouco mais de um ano da vigência da Lei, já se sabe que aqueles cálculos elaborados pelo DIEESE foram excessivamente cautelosos. As indicações são de que a repercussão do piso foi muito mais profunda e atingiu um número muito maior de trabalhadores em Santa Catarina.

Estudo feito pelo próprio DIEESE em 2010, já com oito meses de vigência da Lei, constatou que os pisos salariais das categorias, em Santa Catarina, obtiveram importantes ganhos reais em função da Lei Complementar nº 459/09.

Verificou-se que, em um universo de mais de 300 pisos pesquisados, 47% do total tiveram um ganho real superior ao obtido pelo salário mínimo. Em percentual de ganho real, os destaques ficaram por conta da Agricultura (20,27%), Educação privada (15,91%), Alojamento e Alimentação (15,29%).

Os dados apurados revelaram que os pisos salariais praticados no Estado nas diversas categoriais sofreram um efeito combinado do salário mínimo nacional, que há anos vem pressionando positivamente os salários mais baixos, e da Lei que instituiu os pisos.

Segundo o Balanço das Negociações dos reajustes salariais, divulgado pelo DIEESE recentemente, elaborado a partir de 700 unidades de negociação dos setores da indústria, comércio e de serviços em todo o país, 2010 registrou a maior proporção de negociações com aumento real nos salários de toda a série da pesquisa, que foi iniciada em 1996.

Não é exagero afirmar que, em Santa Catarina, este percentual foi ainda superior porque, além dos demais elementos favoráveis presentes nas negociações nacionais, como crescimento econômico e inflação sob controle, aqui no Estado os sindicatos puderam contar também com a Lei que instituiu os pisos, que teve papel fundamental na mesa de negociação.

O reajuste dos pisos estaduais neste ano (pouco mais de 7%, variando conforme o nível) está sendo tranquilamente absorvido pelas empresas porque acompanhou a realidade das negociações coletivas no Brasil, e veio em um momento  em que a economia brasileira continua crescendo.

O incremento de massa salarial proporcionado pelos novos valores dos pisos certamente irá ajudar a fomentar o consumo dos artigos de primeira necessidade nas áreas do vestuário, alimentos, transporte, fortalecendo a indústria e o comércio catarinenses.

Se considerarmos somente o menor valor do piso, que passou para R$ 630, o acréscimo foi R$ 43,00 que, multiplicado por 500 ou 600 mil significa um incremento de massa salarial muito significativo.

Neste momento em que a retomada do crescimento mundial está complicada e vem sendo impactada por acontecimentos históricos bastante relevantes (fortes manifestações populares no mundo árabe, terremoto e tsunami no Japão, ataque militar à Líbia), as alternativas de crescimento tendem a se voltar para o mercado interno dos  países. Daí a importância dos ganhos salariais e do reajuste dos pisos.

No entanto, é fundamental definir um mecanismo de correção dos pisos, por meio de negociação entre trabalhadores, empresários e governo, de modo a manter a eficácia da lei e o poder aquisitivo dos salários. Um mecanismo de correção dos pisos, que seja objetivo e automático, à exemplo do que foi recentemente votado no Congresso Nacional para o salário mínimo, manterá o seu poder aquisitivo ao longo dos anos, garantindo segurança econômica e jurídica, beneficiando a todos os segmentos sociais.

22 de março de 2011

3º Seminário de Imprensa Sindical do Sindprevs/SC

O Sindprevs/SC realiza no dia 28 de abril de 2011, o 3º Seminário de Imprensa Sindical, no Hotel Floph em Florianópolis. O objetivo é criar um espaço de discussão sobre a imprensa sindical que queremos.

Com o tema Para além do nosso umbigo: os desafios da imprensa sindical o Seminário é voltado para jornalistas, assessores de imprensa, diretores de entidades na área de comunicação e estudantes. O Seminário também vai debater a importância de fazermos uma comunicação de resistência. O Hotel Floph fica na rua Artista Bittencourt, 14, Centro.

As vagas são limitadas. As inscrições podem ser realizadas até o dia 8 de abril/2011 pelo endereço eletrônico: imprensa2@sindprevs-sc.org.br contendo as seguintes informações: Nome, e-mail, local de trabalho, fones de contato, cidade, categoria da inscrição se é jornalista diplomado ou não, estudante, dirigente Sindical e outros.

O Valor da inscrição é: 40,00 para não jornalistas, 30,00 para jornalistas e 20,00 para estudantes e inclui o almoço. A inscrição estará sujeita a confirmação após o envio do comprovante do depósito da taxa de inscrição.

O valor da inscrição deve ser depositado no Banco do Brasil, agência 4236-6, conta nº 7011-4 ou na Caixa Econômica Federal, agência 1078, operação 003, conta nº 333-9. O comprovante do depósito da taxa de inscrição também deve ser enviado através do e-mail: imprensa2@sindprevs-sc.org.br com os nomes completos dos participantes. Haverá exposição de materiais dos sindicatos. Tragam suas publicações!

Segue abaixo a programação do evento.

8h30min – abertura
9h – Por que nossa comunicação deve superar os limites do nosso umbigo?
• Vítor Gianotti (escritor e coordenador do Núcleo Piratininga de Comunicação)
10h – debate
11h – Documentando as lutas
• Carlos Pronzato (cineasta, documentarista e escritor)
11h40h – debate
12h40min – almoço
14h – Condições de Trabalho e dificuldades de atuação na Imprensa Sindical
• Míriam Santini de Abreu (jornalista, Diretora do Sindicato dos Jornalistas de SC)
• Celso Vicenzi (jornalista, assessor de imprensa do Sintrafesc)
14h40min – debate
15h40min – café
16h – A importância de uma comunicação de resistência
coordenação: Elaine Tavares (jornalista e editora da revista Pobres&Nojentas)
• Raul Fitipaldi (diretor editorial do Portal Desacato)
• Jilson Carlos Souza (coordenador da Agecon e da Associação Paulo Freire de Educação e Cultura Popular)
• Anderson Engels (coordenador da Rádio Comunitária Fortaleza Adenilson Teles)
17h – debate
18h – apresentação de audiovisual e lançamento do livro “Che, um poema guerrilheiro” de Carlos Pronzato
Durante o evento haverá uma exposição do trabalho realizado pelo jornalista Osíris Duarte durante sua viagem a África.

19 de março de 2011

Lua amiga vai dizer a ela...

A foto é de junho de 2009, 8 de junho mais precisamente. Um dia de lua cheia como hoje. Aí olhando pela janela lembrei que ja havia postado a foto aqui. Fui procurar e achei. O ponto de vista é daqui de casa na Palhoça.
Também lembrei de uma canção da infância: "Lua, lua amiga vai dizer a ela/ que eu não quero outro amor/ porque eu só gosto dela..."

17 de março de 2011

Lei que reajusta o Piso Estadual foi sancionada

O governador sancionou na tarde de ontem (16) a lei que reajustou o Piso Estadual de Salários em mais de 7%. Os novos valores, R$ 630, R$ 660, R$ 695 e R$ 730,00, são retroativos a 1° de janeiro de 2011 conforme acordado entre as entidades sindicais de trabalhadores e de empregadores. Segundo estudos do Dieese/SC cerca de 1 milhão de catarinenses estão sendo beneficiados, direta ou indiretamente, pelo reajuste. Para os comerciários o Piso passou de R$ 647,00 para R$ 695,00. Fonte: Fecesc

13 de março de 2011

Frase da semana

Uma lamentável mania de certos seres humanos é , em nome das suas próprias frustrações, diminuir e até mesmo tirar o ímpeto das outras.

11 de março de 2011

Banho e cama

Laura: Se o papai não tomasse banho, a mamãe tinha que ter uma cama de solteiro

Apreciação do veto ao PL 63/2010 transferida para dia 22

A apreciação do veto do governador ao Projeto de Lei 63 /2010 deverá ser votada somente dia 22 (terça-feira), na Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina. A promessa foi feita pelo deputado Elizeu Mattos (PMDB), líder da bancada governista, pessoalmente ao presidente do Sindicato dos Jornalistas, Rubens Lunge.

O motivo da transferência é a ausência do deputado Kennedy Nunes (PP), autor do PL, à sessão do dia 15, quando ficaria impossibilitado de defender a derrubada do veto. Kennedy está em viagem à China e retorna à Alesc somente dia 22.

O presidente do Sindicato dos Jornalistas voltou hoje ao Parlamento. Com novo ofício entregue aos deputados, bancadas e assessorias, Rubens Lunge buscou reforçar apoio ao Projeto de Lei que exige a formação superior em jornalismo dos profissionais contratados para a função no serviço público de âmbito estadual.

O novo ofício chama a atenção de que “a formação superior específica assegura todos os instrumentos profissionais e éticos para o atendimento do exercício profissional”. Assim como atenta para o fato de que essa é a solicitação de quatro mil jornalistas atuantes no estado, assim como de centenas de acadêmicos e professores dos dezesseis cursos catarinenses de jornalismo.

O presidente do Sindicato faz uma boa avaliação dos trabalhos: “Nossa conversa com os parlamentares traz a boa perspectiva de o veto ser derrubado”, diz Rubens Lunge. Fonte: SJSC - Silvia Agostini Pereira (MTb/SC 3890-JP)

9 de março de 2011

Fotos Pauta Que Pariu 2011 - Por Petra Mafalda e Eduardo Valente

Confira as fotos do Bloco "Pauta Que Pariu 2011" dos Jornalistas Catarinenses no Album Picasa/Petra Mafalda
As fotos foram tiradas por: Petra Mafalda e Eduardo Valente - Fotografos oficiais.
Destaque para o momento da coroação da nova rainha do Bloco Pauta Que Pariu, Imara Stallbaum.

Imara Stallbaum, rainha 2011, recebe coroa da rainha 2010 Roberta Kremer
 

8 de março de 2011

O papel da mulher na transformação social

Uma palestra com a médica Cubana, Aleida Guevara March marca a passagem do Dia Internacional da Mulher em Florianópolis. "O Papel da Mulher na transformação social” é tema do debate que acontece nesta quarta-feira, 9 de março, no Teatro Álvaro de Carvalho com início às 19h.

Aleida Guevara March é a filha mais velha de Che Guevara e está na Capital Catarinense para uma série de atividades cuja principal foi participação no Desfile da Escola de Samba União da Ilha da Magia campeã do carnaval em 2011 e cujo enredo "Cuba Sim, em nome da verdade" fez homenagem a Ilha de Cuba. 

Aleida, como o pai, é médica, mas especializada na área de alergia infantil, atendendo a consultas no Hospital Pediátrico William Soler, em Havana. Morou na Nicarágua por um ano e na Angola durante dois anos, cumprindo missão internacionalista de apoio em saúde.


É militante do Partido Comunista Cubano e colaboradora do Instituto Cubano de Amizade aos Povos (ICAP). Nos últimos anos, se dedica a promover as relações entre Cuba e os povos do mundo.

4 de março de 2011

Garanta a sua camiseta do Pauta Que Pariu

O Carnaval dos Jornalistas agregados e familiares vai acontecer no sábado, 5, a partir do meio-dia, na Kibelândia na Rua Vitor Meirelles, 91, centro de Florianópolis. A camiseta para participar da 7ª festa e do desfile do Bloco Pauta que Pariu custa R$ 40,00 e dá direito a saborear um bom carreteiro e oito unidades de bebida (água, cerveja, refrigerante). As camisetas estão à venda na Kibelândia, sede do Sindicato e também com Josemar (48-9980-4363), Fabíola (48-9616-1997), Gitane (48-9971-8082); Juraci (48-99618119). Garanta já sua e participe da festa.

Deputados apreciam veto ao projeto dos jornalistas dia 15

A apreciação do veto do governador Raimundo Colombo ao Projeto de Lei 63/2010 será na terça-feira, 15 de março. O PL, apresentado pelo deputado Kennedy Nunes e aprovado por unanimidade na Assembléia no ano passado, exige formação superior em jornalismo para as atividades da categoria na administração pública estadual direta e indireta. O veto já entrou duas vezes na pauta de votação da Assembléia Legislativa e foi retirado pelo líder da bancada governista, Elizeu Matos.

O Sindicato dos Jornalistas convoca jornalistas, professores dos 16 cursos de jornalismo no estado, estudantes e apoiadores da regulamentação profissional e da formação superior para que estejam presentes na sessão do dia 15, que inicia às 14h. O Sindicato também pede a todos que continuem enviando e-mails aos deputados estaduais, defendendo o PL 63.

Maioria dos parlamentares assumiu compromisso com os jornalistas. Os líderes das bancadas do DEM, PCdoB, PP, PPS, PDT, PTB e PT declararam que seus partidos apóiam o PL 63/2010, de autoria do deputado e jornalista Kennedy Nunes. No PSDB, Maurício Eskudlark, assim como os peemedebistas Aldo Schneider e Carlos Chiodini, abriu seu voto em defesa do Projeto de Lei, além do líder da bancada governista, Elizeu Matos (PMDB).

Placar dos votos

A favor dos Jornalistas

Aldo Schneider - PMDB; Altair Guidi - PPS; Ana Paula Lima - PT; Angela Albino - PCdoB; Carlos Chiodini - PMDB; Darci de Matos - DEM; Dirceu Dresch - PT; Elizeu Mattos - PMDB; Gélson Merísio - DEM; Gilmar Knaesel - PSDB; Ismael dos Santos - DEM; Jailson Lima - PT; Jean Kuhlmann - DEM; Joares Ponticelli - PP; Jorge Teixeira - DEM; José Miltom Scheffer - PP; José Nei Ascari - DEM; Kennedy Nunes - PP; Luciane Carminatti - PT; Maurício Eskudlark - PSDB; Narcizo Parisotto - PTB; Neodi Saretta - PT; Padre Pedro Baldissera - PT; Reno Caramori - PP; Sargento Amauri Soares - PDT; Sílvio Dreveck - PP; Valmir Comin - PP; Volnei Morastoni - PT.

Indefinidos (não se declarou a favor ou contra)

Ada Faraco De Luca - PMDB; Antônio Aguiar - PMDB; Dado Cherem - PSDB; Dirce Heiderscheidt - PMDB; Dóia Guglielmi - PSDB; Edison Andrino - PMDB; Manoel Mota - PMDB; Marcos Vieira - PSDB; Mauro de Nadal - PMDB; Moacir Sopelsa - PMDB; Nilson Gonçalves - PSDB, Romildo Titon - PMDB.
Fonte: SJSC

3 de março de 2011

Bloco Pauta Que Pariu vai eleger a sua Rainha

O agito ocorrerá a partir do meio dia, do dia 5 de março, no Bar Kibelândia.

Roberta Kremer, rainha do PQP 2010
O Bloco Pauta que Pariu, do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina, irá escolher a sua Rainha no sábado de carnaval, dia 5 de março. O espaço será o Bar Kibelândia, localizado na Rua Victor Meirelles, Centro de Florianópolis. O título de 2010 coube à jornalista Roberta Kremer.

Durante a concentração festiva, que começa às 12 horas, a corte da imprensa será definida entre jornalistas profissionais e estudantes de jornalismo. Candidatas de todas as idades serão aceitas. As inscrições poderão ser feitas no local até cinco minutos antes do evento.

Segundo o organizador do concurso, Ricardo Medeiros, o importante é ter charme, balanço e espírito carnavalesco. Além da rainha, serão escolhidas a Primeira Princesa e Segunda Princesa. Como prêmio, além de faixas e coroas, as majestades receberão um kit carnaval, incluindo camisetas, cervejas, preservativos e engov.

A festa deve reunir cerca de 300 foliões, que partir das 18 horas seguirão para a Praça XV de Novembro para o desfile tradicional. Para sair no Pauta que Pariu basta encomendar uma camiseta do bloco, ao preço de 40 reais. As camisetas estão à venda na sede do Sindicato dos Jornalistas, na Kibelândia, bem como com Fabíola (9616-1997), Josemar (9980-4363), Juraci (9961-8119), Gitane (9971-8082) e Sílvia (9604-3101)

Tira a mão do meu canudo

A defesa da profissão de jornalista é o tema político escolhido para o Carnaval. Na cor rosa–pink, a camiseta tem a frase “Tira a mão do meu canudo” estampada na frente. Conforme a comissão organizadora, “é para mostrar que nem no Carnaval os jornalistas catarinenses se esquecem da luta pela importância da formação superior para a profissão”. Fonte: Site da Secretaria Municipal de Turismo Cultura e Esporte

STF julgou improcedente ADIN que pedia a impugnação do Piso Estadual de Salários

Um dia após ser aprovado o reajuste do Piso Estadual de Salários, os trabalhadores catarinenses podem comemorar mais uma vitória. O Supremo Tribunal Federal julgou, na tarde de quarta-feira (2), improcedente a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) 4364 impetrada pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), numa solicitação da Fecomércio SC, que pedia a impugnação da lei 459/09 que instituiu o Piso Estadual de Salários. A Advocacia Geral da União já havia se manifestado pela improcedência do pedido.

A ação havia sido contestada pela FECESC e outras entidades sindicais de trabalhadores. Com somente 1 voto pela inconstitucionalidade da Lei proferido pelo Ministro Marco Aurélio Mello, o STF derrubou a ADIN reconhecendo a constitucionalidade da Lei 459/09. Apenas uma modificação foi aprovada, a que retira do Parágrafo Único do Artigo 2º da Lei a participação do Estado na negociação do reajuste dos valores do Piso.

Para o presidente da FECESC Francisco Alano os empresários não têm mais nenhum motivo para negociar os reajustes dos pisos salariais de seus trabalhadores em valores inferiores aos constantes na lei estadual. “O julgamento do STF agregado à aprovação por unanimidade pela Assembléia Legislativa do percentual de reajuste negociado entre as entidades patronais e de trabalhadores configuram vitórias históricas para os trabalhadores”, declarou. Fonte: Fecesc

2 de março de 2011

Terceiro esquenta do Pauta Que Pariu

Desfile do Pauta Que Pariu em 2009. Foto: Petra Mafalda
Hoje tem esquenta do Bloco de Carnaval Pauta que Pariu a partir das 19h na Kibelândia com venda da camiseta a R$ 40,00. O 7° carnaval do bloco acontecerá na Kibelândia, no sábado, dia 5 de março a partir do meio-dia.

Hoje também tem venda de camisetas para os colegas do DC, HORA e CLICRBS, a partir das 12h30min, na frente do prédio do Diário Catarinense. E amanhã a venda será na RBSTV, TV COM, RÁDIO CBN, ATLÂNTIDA, ITAPEMA, RIC RECORD, RIC NEWS, NOTÍCIAS DO DIA e ND ONLINE a partir das 13h.

1 de março de 2011

Reajuste de mais de 7% no Piso Estadual de Salários é aprovado pelos deputados

Com as galerias do Plenário tomadas por representantes das Centrais Sindicais, os 35 deputados presentes na sessão desta tarde aprovaram, por unanimidade, o Projeto de Lei Complementar 005/2011 que reajusta o Piso Estadual de Salários em mais de 7%.

Fruto de um acordo inédito entre entidades sindicais de trabalhadores e de empresários, a matéria foi aprovada cerca de 20 dias após ter sido enviada pelo governador Raimundo Colombo à Assembleia Legislativa. Todos os termos do acordo foram respeitados, inclusive no que diz respeito ao seu efeito retroativo a janeiro de 2011.

Antes de ser aprovado em plenário o projeto tramitou pelas Comissões de Constituição e Justiça, Finanças e Tributação e de Trabalho, Administração e Serviço Público. O coordenador sindical do DIEESE em Santa Catarina Ivo Castanheira afirmou que o reajuste é uma grande conquista para os trabalhadores catarinenses e enalteceu a agilidade dos parlamentares na tramitação do projeto.

Dividido em quatro faixas o Piso passa agora a ser de R$ 630,00; R$ 660,00; R$ 695,00 e R$ 730,00 conforme a categoria. Segundo estudos do DIEESE mais de 1 milhão de catarinenses deverão se beneficiar, direta ou indiretamente, com o reajuste. Fonte: FECESC Jornalista responsável: Juliana Claudio (Mtb:02789/SC)

"Dona Justa"

O nome não poderia ser mais, digamos, justo. "Dona Justa" é o Bloco de Carnaval dos trabalhadores do Judiciário Catarinense organizado pelo SINJUSC, o Sindicato da categoria que saí na sexta-feira, 4 de março. Antes do desfile pelas ruas do centro de Florianópolis os foliões se reunem no estacionamento do Tribunal de Justiça para um esquenta com a Banda do Dona Justa.

As camisetas do bloco podem ser adquiridas no SINJUSC por R$ 30,00 e dão direito a um delicioso carreteiro e 4 cervejas ou por R$ 15,00 sem a bebida e a comida. O desenho da camiseta é do competente ilustrador Zédassilva.

Câmara de Vereadores da Capital amplia discussão sobre transporte marítimo

Na noite de ontem, dia 28, a Câmara de Vereadores de Florianópolis, por proposição do vereador Dr. Ricardo Vieira (PCdoB), discutiu com parlamentares municipais, prefeitos e representantes de várias entidades da Grande Florianópolis, a viabilidade para implantação do transporte marítimo na região.

A reunião ampliada foi idealizada pela Frente Parlamentar de Mobilidade Urbana, presidida por Vieira.Os prefeitos de Palhoça, Ronério Heiderscheidt (PMDB), e de Biguaçu, Castelo Deschamps, participaram da reunião enaltecendo as vantagens deste modal de transporte para desafogar o trânsito dos três municípios.

O Legislativo de Palhoça já aprovou projeto de lei para viabilizar o transporte marítimo na cidade e, conforme o diretor de Planejamento da Prefeitura de Palhoça e coordenador do Projeto Transporte Marítimo, Nazareno Magalhães, este tipo de transporte acumula vantagens, tais como: a integração com outros meios de transporte, a rapidez – se comparado ao automóvel o percurso pode ser até 60% mais rápido - além do conforto e da possibilidade de transportar até bicicletas, o que facilita a integração entre os modais.

O presidente da Associação de Moradores do Estreito, Édio Ramos, reforçou a necessidade da mudança de cultura em relação ao transporte em massa na Grande Florianópolis e afirmou que a população da região será muito beneficiada com a inclusão do transporte marítimo entre as opções de mobilidade.

O vereador Ricardo, que preside a Frente Parlamentar da Mobilidade Urbana, alerta para a necessidade de ampliar a discussão do transporte marítimo com os setores que defendem o meio ambiente. “É importante que eles venham para o debate inclusive para auxiliar no comparativo sobre a ação poluidora do atual transporte viário e o impacto do transporte via mar”, lembrou o vereador, que lamentou a ausência de representantes da Prefeitura de Florianópolis.

“É fundamental que o prefeito de Florianópolis, Dário Berger, esteja presente nesta discussão. De outra forma é impossível!”, reclamou o vereador Professor Lino Peres (PT). Fonte: Assessoria de Comunicação Ver. Dr. Ricardo (PCdoB) Caroline Concado e Janine Koneski