28 de dezembro de 2009

Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo
até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)

Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

18 de dezembro de 2009

Confecom aprova criação do Conselho Nacional de Comunicação

Terminou ontem (17), em Brasília, a 1ª Conferência Nacional de Comunicação. Representantes dos três segmentos envolvidos nos debates (sociedade civil não empresarial, empresarial e poder público) deixaram o espaço destacando o surgimento de um novo canal de diálogo entre eles. Só por consenso, ou seja, com o apoio de mais de 80% dos delegados dos grupos de trabalho, foram aprovadas 532 propostas.
Estiveram presentes 1.684 delegados e mais de 400 observadores. Dos delegados presentes 40% eram do movimento social, 40% empresarial e 20% do poder público. As empresas foram representadas pela Associação Brasileira de Radiodifusores (Abra), encabeçada pelos grupos Bandeirantes e Rede TV, e a Telebrasil que representou as operadoras de telefonia.
Conselho de Comunicação
Uma das propostas mais importantes aprovadas é a que cria o Conselho Nacional de Comunicação, instância de monitoramento, formulação e debate das políticas do setor no Brasil. Com representação dos três segmentos, o órgão seria semelhante aos que já existem em diversos países como os Estados Unidos, Inglaterra e França.
Jornalistas
O presidente da Fenaj, Sérgio Murilo, diz que dos temas centrais que os jornalistas escolheram para os debates todos foram aprovados. “A defesa da nossa regulamentação, a necessidade de formação específica do jornalismo, a ideia de ter um diploma de nível superior como critério democrático de acesso à profissão e a proposta do Conselho Federal para a profissão”, enumerou.
Para a categoria, segundo o presidente da Fenaj, foi de fundamental importância também a proposta de que seja estabelecido um código de ética comum tanto para o profissional quanto para a empresa. “Isso é um passo fundamental e recebemos aqui o apoio da Confecom”, diz.
Fonte: Vermelho - Iram Alfaia

Ato contra a árvore da vergonha

Diversas entidades de Florianópolis e região farão uma manifestação cultural para protestar contra o mau uso do dinheiro público. O evento, que acontecerá no Ticen (Terminal Integrado do Centro) nesta sexta-feira (18) a partir das 17h, irá denunciar o super faturamento da árvore de natal da Beira-Mar Norte e denunciar a falta de recursos para o desenvolvimento de políticas públicas perenes.
Segundo o Ministério Público de Santa Catarina há indícios de um superfaturamento de mais de R$ 2 milhões no contrato entre a prefeitura de Florianópolis e a empresa Palco Sul que confeccionou a árvore de natal. O contrato, suspenso pela justiça, previa gastos de R$ 3,7 milhões, mas o serviço teria custado R$ 1,69 milhão.
Enquanto prefeitura e governo de Estado gastam juntos cerca de 13,4 milhões com a programação de natal, serviços básicos ficam abandonados e em situação de descaso. Na cultura, por exemplo, o governo do Estado deu calote no Edital Elisabete Anderle que contemplou 189 projetos. Também não pagou os 60 pontos de cultura, com verba já liberada pelo Ministério da Cultura, e mais 40 projetos do Funcultural.
Segundo Murilo Silva, Presidente do Fórum Cultural de Florianópolis, o que acontece com a prefeitura e o governo de Estado é uma inversão de prioridades. “Contando apenas com a verba que teria sido superfaturada na árvore de natal, poderiam ser realocadas 270 famílias em área de risco, por exemplo.” O presidente afirma ainda que quando se compara as necessidades sociais do município, é preciso compreender que todo o investimento público deve estar vinculado a democracia e a cidadania.
Na programação que irá das 17h às 19h estão previstas as apresentações de Maracatu e de Malabares (artistas que foram vetados de expressar sua arte na cidade), além da distribuição de 20 mil jornais. Além do Fórum Cultural de Florianópolis, assinam o evento e o jornal a Fecesc, CUT, Conlutas, CTB, Intersindical, Sintraturb, Sintrasem, SINDPD, Sindiprevs, Sinasefe, Ufeco, PT, PCdoB, PSOL e PSTU. Fonte Fecesc

14 de dezembro de 2009

Mostra do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo

Fiquei devendo na sexta-feira mas hoje apresento as 14 fotos que, junto com as 3 primeiras colocadas e as três Menções Honrosas, farão parte da Mostra do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo que vai percorrer as principais cidades de Estado.

Mostra - Arthur Moser - Recomeço de vida

Mostra - Débora Klempous - Preso

Mostra - Diego Redel - Resgate aéreo do Morro do Baú II

Mostra - Eduardo Cavalcanti - Condenado a nascer

Mostra - Flávio Neves - Desabrigados

Mostra - Flávio Neves - Isolado pela enchente

Mostra - James Tavares - Apagão

Mostra - JamesTavares - Enchente Blumenau

Mostra - Marcelo Bittencourt - O mundo encantado embaixo de lama

Mostra - Marcos Porto - A fuga

Mostra - Maurício Vieira - Sobreviventes

Mostra - Patrick Rodrigues - Chuva leva ao caos

Mostra - Rafaela Martins - Lágrimas de desamparo

Mostra - Rafaela Martins - Vidas que seguem

11 de dezembro de 2009

Diego Redel conquista Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo

O repórter-fotográfico Diego Redel, do Diário Catarinense, venceu a 3ª edição do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo, promovido pelo Sindicato dos Jornalistas e Associação Catarinense de Imprensa, com patrocínio da Eletrosul. Os ganhadores foram anunciados no dia 11 de novembro, na Assembleia Legislativa.
Redel, de 28 anos e 12 de profissão, recebeu R$ 3 mil como prêmio pela imagem ‘Resgate Aéreo no Morro do Baú’, produzida na épica cobertura das cheias de novembro de 2008 no Vale do Itajaí.
Em segundo lugar ficou Gilmar de Souza, do Jornal de Santa Catarina, de 49 anos e 30 de profissão. A foto de Souza (‘Desconforto’) igualmente teve relação com as cheias – flagrou a inusitada cena de um deslizamento que atingiu o cemitério do bairro Garcia, em Blumenau, e deixou um caixão prestes a cair.
O terceiro lugar foi concedido a Hermínio Nunes, também do DC, com a foto ‘Revista’, durante uma operação pente-fino no presídio de Tijucas. Souza e Nunes receberam R$ 2 mil e R$ 1 mil, respectivamente.
Os três trabalhos que receberam menção honrosa foram para fotógrafos do Grupo RBS: Maurício Vieira (Hora de Santa Catarina) e outras duas fotos de Hermínio Nunes (DC) e Gilmar de Souza (Santa).
Os jurados foram Orestes Araújo, Elaine Borges, Tarcisio Mattos, Mauro Ferreira e Carlos Pereira. “Os resgates eram as fotos mais perseguidas pelos muitos fotógrafos – de todas as partes do país - que fizeram a cobertura das cheias de novembro de 2008 no Vale do Itajaí”, relatou Diego Redel. “Consegui uma imagem pouco comum, porque não tive condição de apuro técnico, havia muito movimento, era difícil enquadrar. Tive sorte, mas fui premiado pela persistência”, concluiu.
Natacha Zeferino dos Santos, acadêmica da sétima fase de Jornalismo da Unidavi de Rio do Sul, ganhou na categoria ‘Estudantes’. Os 20 melhores trabalho percorrerão o estado em exposições públicas.
A iniciativa das duas entidades homenageia o repórter-fotográfico Olívio Lamas, um dos mais brilhantes profissionais do Jornalismo brasileiro, que acumulou prêmios como ‘Esso’ e ‘Vladimir Herzog de Direitos Humanos’, além de uma destacada militância em defesa da ética e da cidadania.
Natural de Rio Grande (RS), iniciou sua formação em Porto Alegre, onde trabalhou em veículos como Zero Hora, Correio do Povo e Folha da Manhã. Transferiu-se para São Paulo, onde foi editor da sucursal de O Globo. Em Santa Catarina, aonde veio morar em 1988, foi editor de fotografia de O Estado e freelancer do Jornal do Brasil e da revista Globo Rural. Com 40 anos de profissão e 58 de idade, faleceu em 23 de junho de 2007. Confira nas postagens anteriores as fotos dos vencedores.

Vencedores do 3º Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo - 1ª Colocada

1º Colocada - Resgate Aéreo no Morro do Baú - Diego Redel.

Vencedores do 3º Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo - 2ª Colocada

2ª Colocada - Desconforto - Gilmar de Souza.

Vencedores do 3º Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo - 3ª Colocada

3ª Colocada - Revista - Hermínio Nunes.

Vencedores do 3º Troféu Olivio Lamas de Fotojornalismo - 2009. Menções Honrosas

Menção Honrosa - Quarentena, Isolados pela Gripe A - Mauricio Vieira.











Menção Honrosa - Na Mira - Hermínio Nunes.











Menção Honrosa - Improviso - Gilmar de Souza.


10 de dezembro de 2009

24 horas

Eric, na foto com 24 horas de vida, ainda na maternidade do HU, bem no estilo tô na área, clicado pela mamãe Lili. Perdão pela baba aqui do papai.

Piso Estadual de Salários - MPT orienta a não assinar convenções abaixo do piso

O Ministério Público do Trabalho (MPT) está orientando todos os sindicatos de trabalhadores de Santa Catarina para que não assinem convenções e acordos coletivos com valores inferiores ao piso estadual salarial que entra em vigor a partir de 1º de janeiro. O MPT decidiu enviar esta notificação aos sindicatos porque estariam ocorrendo interpretações equivocadas por parte dos empresários.
A orientação do MPT tem como base a Constituição Federal, que prevê o reconhecimento das convenções e acordos coletivos desde que assegurem a melhoria das condições de trabalho. Além disso, a decisão dos sindicatos não pode prevalecer sobre o princípio da proteção, prevista no Direito do Trabalho. Se houver descumprimento da notificação, o MPT ingressará com ações na Justiça para anular as convenções.
Segundo a Notificação Recomendatória nº 15490/2009 as entidades sindicais devem se abster de negociar nas Convenções e Acordos Coletivos de Trabalho que tenham cláusulas com salário base inferior aos valores previstos na Lei Complementar nº 450 de 30.09.09, sob pena de responsabilização civil das entidades sindicais e de seus representantes. Para os comerciários o piso estabelecido é R$ 647,00 (seiscentos e quarenta e sete reais).
Sancionado em 30 de setembro pelo Governador do Estado, o salário mínimo é fruto da luta desenvolvida nos últimos três anos pelo movimento sindical que culminou com mais de 45 mil adesões a um abaixo-assinado que reivindicava sua implementação. O texto foi elaborado pelo conjunto do movimento sindical representativo dos trabalhadores catarinense (sindicatos, federações e centrais sindicais), sofrendo pequenas modificações quando tramitou pela Assembléia Legislativa.
Os valores serão reajustados anualmente, a partir de 2011, com negociação envolvendo centrais sindicais, entidades patronais e governo do estado.

Confira a relação dos pisos:
I - R$ 587,00 (quinhentos e oitenta e sete reais) para os trabalhadores:
a) na agricultura e na pecuária; b) nas indústrias extrativas e beneficiamento; c) em empresas de pesca e aquicultura; d) empregados domésticos; e) em turismo e hospitalidade; f) nas indústrias da construção civil;g) nas indústrias de instrumentos musicais e brinquedos;h) em estabelecimentos hípicos; i) empregados motociclistas, motoboys, e do transporte em geral, excetuando-se os motoristas.
II - R$ 616,00 (seiscentos e dezesseis reais) para os trabalhadores:
a) nas indústrias do vestuário e calçado; b) nas indústrias de fiação e tecelagem; c) nas indústrias de artefatos de couro; d) nas indústrias do papel, papelão e cortiça;e) em empresas distribuidoras e vendedoras de jornais e revistas e empregados em bancas, vendedores ambulantes de jornais e revistas;f) empregados da administração das empresas proprietárias de jornais e revistas;g) empregados em estabelecimentos de serviços de saúde;h) empregados em empresas de comunicações e telemarketing; e i) nas indústrias do mobiliário.
III - R$ 647,00 (seiscentos e quarenta e sete reais) para os trabalhadores:
a) nas indústrias químicas e farmacêuticas; b) nas indústrias cinematográficas; c) nas indústrias da alimentação; d) empregados no comércio em geral; e e) empregados de agentes autônomos do comércio.
IV - R$ 679,00 (seiscentos e setenta e nove reais) para os trabalhadores:
a) nas indústrias metalúrgicas, mecânicas e de material elétrico; b) nas indústrias gráficas; c) nas indústrias de vidros, cristais, espelhos, cerâmica de louça e porcelana;d) nas indústrias de artefatos de borracha;e) em empresas de seguros privados e capitalização e de agentes autônomos de seguros privados e de crédito; f) em edifícios e condomínios residenciais, comerciais e similares;g) nas indústrias de joalheria e lapidação de pedras preciosas;h) auxiliares em administração escolar (empregados de estabelecimentos de ensino);i) empregados em estabelecimento de cultura; j) empregados em processamento de dados; e k) empregados motoristas do transporte em geral. Fonte: site da Fecesc

Troféu Olívio Lamas - Foto vencedora na categoria Estudantil

[Espectadores] é a foto vencedora da 3ª Edição do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo na Categoria Estudantil. A autora é a estudante da 6ª fase do curso de Jornalismo da Unidavi de Rio do Sul, Natacha Zeferino Costa dos Santos.

9 de dezembro de 2009

Premiação do Troféu Olivio Lamas de Fotojornalismo será dia 11

O evento de premiação da 3ª Edição do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo acontece na sexta-feira, 11 de dezembro no hall da Assembleia Legislativa a partir das 20h.

Privatização conta gotas

Informação distribuida pelo Sintaema - Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente de Santa Catarina

CASAN: o golpe de misericórdia
As recentes decisões de alguns Prefeitos, como João Rodrigues (DEM) de Chapecó, de romper o contrato com a Casan, em plena vigência, de forma unilateral e sem qualquer motivo justificado em cláusulas contratuais, aliadas à decisão do Desembargador substituto Luís Fernando Boller que cassou a liminar do Juiz da Vara da Fazenda Pública de Chapecó, Dr. Selso Oliveira, respaldando a decisão do Prefeito, certamente levarão a Casan à insolvência.
Exatamente no momento em que a Casan está dando passos largos na implantação do saneamento básico em vários municípios onde mantém contrato, a exemplo de Criciúma, Imbituba, Laguna, Florianóplois, Chapecó, Indaial, entre outros e às vésperas de assinar um contrato (previsto para março de 2010) de mais de R$ 500 milhões com a Agência Japonesa JICA, além de outros financiamentos junto ao BNDES e Caixa Econômica Federal. Investimentos estes capazes de elevar de forma significativa os índices de coleta e tratamento de esgoto sanitário em nosso Estado.
É inadmissível que um contrato seja rompido de forma unilateral e o Poder Judiciário não dê uma resposta urgente para barrar esta estupidez. Decisões como esta fere frontalmente a Lei 11.445/2007, que nestes casos determina que a empresa seja indenizada em no máximo 4 anos.

A farsa da municipalização/privatização como modelo para implantar saneamento básico no Estado
O discurso em que a solução para o saneamento básico era a municipalização na prática faliu. Os dados atestam que os municípios que saíram do sistema Casan não conseguiram avançar na implantação de esgotamento sanitário. Cidades como Tubarão, Içara, Palhoça, Navegantes, Balneário Camboriú, Camboriú, Itajaí, Timbó, Fraiburgo, Lages, entre outros, não implantarão um só metro de rede para coleta e tratamento de esgoto. E a maior cidade do Estado, Joinville, depois de 5 anos municipalizada ainda não conseguiu concluir o sistema de esgoto de 3 bairros da Cidade. Quando concluir, elevará em apenas 3% o índice de esgoto em relação ao deixado pela Casan em 2004.
A razão de tamanha dificuldade é simples: a falta de capacidade de endividamento dos municípios. Dinheiro tem disponível nos agentes financeiros, entretanto, falta capacidade de endividamento dos municípios, o que não vem acontecendo com a Casan.
Qual a segurança jurídica e institucional para as empresas se constituírem e fazer seus investimentos se os contratos são rompidos de forma unilateral e não há a obrigatoriedade de indenização prévia dos investimentos, patrimônio etc?
A situação é gravíssima, pois restará ao Estado um passivo (da Casan) de algumas centenas de milhões, enquanto aos municípios e as empresa privadas que estão assumindo os sistemas caberá apenas os ativos. Isto pode ser caracterizado com crime contra a economia popular.
É grave o fato das Prefeituras romperem o contrato com a Casan e ainda contratar empreiteiras, sem licitação, para prestar os serviços de abastecimento de água.

É o hidronegócio que está sendo legalizado e institucionalizado no Estado.
Em 2008 o Vereador Jucélio de Souza Clementino (PP), de Garopaba, a mando da empreiteira que prestava serviço de saneamento básico, após a municipalização/privatização foi flagrado tentando subornar o Prefeito Luiz Nestor (PMDB), com cerca de R$ 700 mil para que este continuasse com a empreiteira e não retornasse ao sistema Casan. Felizmente o Prefeito agiu corretamente e denunciou o vereador. Este procedimento tem sido uma constante no submundo das terceirizações/privatizações. Clique nos links abaixo para ver os vídeos em que o vereador Jucélio tenta subornar o Prefeito:
http://www.youtube.com/watch?v=v7ik5_6loZE
http://www.youtube.com/watch?v=eCfUxTW-oHE

Demissões e ameaça de não pagamento de salários
Esta será a consequência imediata, demissões em massa e não pagamento de salários a partir do início do próximo ano. O Governo do Estado, a Assembléia Legislativa e o Poder Judiciário precisam intervir para evitar este desastre em Santa Catarina, caso contrário terão que ser responsabilizados.

Saneamento ameaçado
Outra consequência grave será o caos que centenas de municípios poderão atravessar com o fim das atividades da Casan. É a saúde publica da população que está a perigo.

8 de dezembro de 2009

Mostra do Troféu Olívio Lamas vai percorrer o Estado.

Além da imagens dos reporteres fotográficos Gilmar de Souza (Jornal de Santa Catarina), Hermínio Nunes (Diário Catarinense), Maurício Vieira (Hora de Santa Catarina) e Diego Redel (Diário Catarinense) que são as finalistas da terceira edição do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo, outras 14 fotos farão parte da mostra que integrarão a exposição itinerante, que percorrerá, em 2010, as cidades catarinenses que sediam cursos de Jornalismo.
Os autores das imagens são: Arthur Moser, Débora Klempous, Eduardo Cavalcanti de Souza, Flávio Neves, James Tavares, Marcelo Bittencourt, Marcos Porto, Patrick Rodrigues e Rafaela Martins.
A categoria ‘Estudantes’ foi vencida por Natacha Zeferino Costa dos Santos, da Unidavi, de Rio do Sul.
O anúncio dos três primeiros lugares, que dividem R$ 6 mil em prêmios, será feito na próxima sexta-feira (11), a partir das 20h, no hall da Assembleia Legislativa. O evento é promovido pelo Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina e Associação Catarinense de Imprensa, com patrocínio da Eletrosul.

7 de dezembro de 2009

E os finalistas são...

Reunida no final da tarde de hoje a Comissão Julgadora do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo 2009 escolheu entre os 33 trabalhos inscritos os 6 indicados ao prêmio que são:
Diego Redel
Gilmar de Souza (2 fotos)
Hermínio Nunes (2 fotos)
Maurício Vieira
As três melhores fotos recebem prêmios em dinheiro. Três mil reais para a primeira colocada, dois mil reais para a segunda e um mil reais para a terceira colocada. As outras três fotos recebem certificado de Menção Honrosa. Mais 14 fotos foram selecionadas e fazem parte da mostra que percorrerá as principais cidades do Estado. A cerimônia de premiação acontece no dia 11 de dezembro na Assembléia legislativa. Os jurados foram: Carlos Pereira, Elaine Borges, Mauro Ferreira, Orestes Araújo e Tarcisio Mattos.

Jurados escolhem hoje as melhores fotos do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo 2009

Os cinco membros da Comissão Julgadora selecionam na noite desta 2ª feira, (7) os trabalhos que serão premiados pela terceira edição do Troféu Olívio Lamas de Fotojornalismo, uma promoção do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina e Associação Catarinense de Imprensa, com patrocínio da Eletrosul.
No total foram 33 inscrições – e os três primeiros lugares recebem R$ 6 mil em premiações - respectivamente R$ 3 mil, R$ 2 mil e R$ 1 mil para o primeiro, segundo e terceiro colocados.
Os cinco jornalistas da Comissão Julgadora também escolherão outros três classificados como ‘menção honrosa’ e mais 14 trabalhos que serão incluídos na mostra fotográfica itinerante em 2010.
“É uma excelente oportunidade para dar mais visibilidade ao nosso trabalho e terminar o ano com um reforço no orçamento”, comentou Maurício Vieira, repórter-fotográfico do jornal ‘Hora de Santa Catarina’, vencedor da edição 2008.
Os critérios de julgamento observam a capacidade de aliar informação à imagem, o grau de dificuldade para obter a foto, o impacto da imagem e sua composição técnica e estética. O anúncio dos vencedores será em evento marcado no próximo dia 11 (sexta-feira), no Espaço Cultural Jerônimo Coelho, na Assembleia Legislativa.

4 de dezembro de 2009

Quero votar para presidente do TJ

Venceu a eleição para presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina o desembargador com mais tempo de carreira no judiciário. José Trindade dos Santos, o novo presidente-eleito do Tribunal de Justiça para o biênio 2010/2012, foi alçado ao mais alto posto do Poder Judiciário Catarinense sem ter maioria dos votos dos 50 Desembargadores. Numa eleição atípica, tanto o Desembargador Trindade como o Desembargador Trisoto tiveram 25 votos. Foi então utilizado, o critério da  antiguidade, restando vencedor Trindade dos Santos.
O SINJUSC, que é o sindicato dos trabalhadores do judiciário faz campanha para que toda a população catarinense, os trabalhadores do judiciário e os magistrados possam escolher o presidente do Tribunal de Justiça. Acreditam que só com propostas para toda a população, é que será possivel ter um presidente do TJ que represente mais do que os interesses de 25 votos. Eu também quero votar para presidente do TJ.

3 de dezembro de 2009

Família em casa

Familia reunida no sofá colorido da sala, pousando para a foto oficial no momento da chegada do Eric em casa no dia dois de dezembro.