12 de setembro de 2011

Trabalhadores do Judiciário preparam greve para 21 de setembro

A direção do SINJUSC por decisão da assembleia geral realizada no dia 30 de agosto está divulgando a “Carta à População Catarinense” onde explica os motivos do “Estado de Greve” em que se encontram os trabalhadores do judiciário e as razões que estão levando a categoria a uma greve geral por tempo indeterminado.

O documento deixa claro o esforço do Sindicato, desde julho de 2010, de negociar o Plano de Cargos e Salários com a Administração do Tribunal de Justiça. Mostra também a forma antidemocrática e desrespeitosa com que o TJ vem tratando os seus servidores em protelar a aprovar o PCS. Em forma de cartaz o documento será amplamente divulgado em todos os fóruns.


Carta à população catarinense


Em assembleia geral no dia 30 de agosto os trabalhadores do judiciário decidiram entrar em Estado de Greve e realizar nova assembleia geral no dia 21 de setembro com indicativo de Greve por tempo indeterminado a partir daquela data, caso a Administração do Tribunal de Justiça (TJ) não aprove o novo Plano de Cargos e Salários (PCS) da categoria.

A proposta de novo PCS começou a ser negociada em julho de 2010 e foi concluída em maio deste ano, com a entrega do relatório final ao presidente do TJ. Apesar disso, há mais de 100 dias o projeto permanece sem aprovação.

Além disso, através de diretores do TJ, o presidente do Tribunal tenta negar o conteúdo negociado e a possibilidade de aprovação da proposta.

De nossa parte, como Sindicato, levamos ao extremo o esforço da negociação e do diálogo, para o qual nos mantemos abertos. Mas a Administração do TJ, quando lhe faltam argumentos, prefere usar a força.

Fique claro a todos que os trabalhadores do judiciário preferem o diálogo à Greve. Mas a manutenção do atual estado de coisas, sem a aprovação do PCS, e pior, com tratamento antidemocrático e desrespeitoso com a organização da categoria, não nos deixa outra alternativa.

Temos alertado aos desembargadores do TJ o quão mal-sucedida foi, historicamente, a experiência de tratar as reivindicações dos trabalhadores com violência ao invés de soluções e diálogo.

Esperamos que a atual Administração não tenha compromisso com os erros do passado.

Queremos dizer a toda a população catarinense, que, de nossa parte, faremos todo o esforço para uma solução que atenda aos interesses dos trabalhadores e torne desnecessária a greve.

Por ora ela se impõe, e a responsabilidade só pode ser imputada às escolhas e decisões da Administração do TJ.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Chegou até aqui, então manda o comentário...