26 de março de 2009

Conta aqui pro bonequinho

O Comunique-se publicou notícia informando que um senador americano propôs um projeto de lei que permite que os jornais sejam classificados como entidades sem fins lucrativos e, com isso, fiquem livres do pagamento de impostos. Quem quer aposta como essa proposta vai aparece por aqui logo, logo.

Sem fins lucrativos. Sei.
Como diriam uns e outros: Conta aqui pro bonequinho.

Senador americano propõe isenção de impostos para os jornais
Para tentar solucionar a crise que afeta o mercado de jornais impressos nos Estados Unidos, o senador do Partido Democrata Benjamin Cardin propôs, na última terça-feira (24/03), projeto de lei que permite que os jornais sejam classificados como entidades sem fins lucrativos e, com isso, fiquem livres do pagamento de impostos. Pela proposta, as receitas das empresas não seriam taxadas e as contribuições recebidas poderiam ser deduzidas do imposto. De acordo com o senador, a ação é necessária para preservar os jornais locais.“Nós estamos perdendo a nossa indústria de jornais. (...) A economia causou um problema imediato, mas o modelo de negócios para os jornais, baseado na circulação e na receita publicitária, está quebrado, e isso é uma tragédia real para comunidades de todo o país e para a nossa democracia”, defendeu Cardin.
Os jornais que aceitassem o novo modelo não poderiam mais apoiar abertamente candidatos em eleições, mas a cobertura política não seria afetada. Com informações do site
Editor and Publisher.

Um comentário:

  1. Na verdade o que está em discussão nos EUA é uma mudança de modelo de negócio dos jornais, porque eles estão se tornando empresas inviáveis. Uma proposta é que as empresas se tornem fundações sem fins lucrativos, beneficiando-se assim de isenções fiscais. Para ter o benefício, portanto, uma editora de jornal teria de deixar de ser uma empresa. É uma proposta polêmica e que gera muita oposição, inclusive e principalmente de grandes jornais. Nâo se trata, portanto, de simplesmente não cobrar mais imposto de empresas de comunicação.

    ResponderExcluir

Chegou até aqui, então manda o comentário...