25 de setembro de 2012

Exibição do documentário "Marighella" e debate com a diretora do filme

O documentário "Marighella" será exibido a partir das 19 horas da próxima quinta-feira, 27 de setembro, no auditório do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário de Santa Catarina (SINJUSC)localizado na Avenida Mauro Ramos, 448.

Em seguida haverá um debate com a diretora Isa Grinspum Ferraz e com o advogado Prudente José Silveira Mello, único catarinense integrante da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, e mediação do presidente do SINJUSC, Cláudio Del Prá Netto. A atividade marca a instalação do Cineclube SINJUSC.

Lançado no circuito comercial em julho deste ano, o documentário “Marighella” é a recuperação de parte importante da história do Brasil e o resgate de um dos mais ativos opositores ao regime militar.

Ao recontar Carlos Marighella, o filme também provoca questões sempre presentes, como a obviedade da resistência violenta ao Estado violentador. A morte de Marighella por agentes do Estado é também um debate atual, em que se questiona se um Estado democrático pode se negar a punir aqueles que agiram com a força da lei – e das armas, e da tortura - contra a oposição civil.

Veja aqui o convite para o dia 27 http://www.youtube.com/watch?v=cSz2RQUZ4lo.

 A vinda do documentário Marighella para uma sessão especial e a presença da diretora do filme é uma ação conjunta do Cineclube SINJUSC, do SINJUSC, do Centro de Estudos e Pesquisas em Trabalho Público e Sindicalismo, União Catarinense de Estudantes, TV Floripa, Sinergia, CESUSC e FUNJAB.

 Marighella

Filho de operário imigrante italiano e de negra filha de escravos africanos, Carlos Marighella nasceu em Salvador em 1911. Iniciou o curso de Engenharia Civil da Escola Politécnica da Bahia, que abandonou para ingressar no Partido Comunista em 1932. Neste ano, foi preso pela primeira vez, por escrever um poema crítico ao interventor Juracy Magalhães.

 Eleito deputado federal constituinte em 1946, foi cassado em 1948 porque o Partido Comunista foi colocado na ilegalidade. Em maio de 1964, após o golpe militar, é baleado e preso por agentes do DOPS dentro de um cinema, no Rio de Janeiro. Libertado em 1965 por decisão judicial, no ano seguinte opta pela luta armada contra a ditadura.

Em fevereiro de 1968 funda o grupo armado Ação Libertadora Nacional. Na noite de 4 de novembro de 1969, Marighella foi surpreendido por uma emboscada na alameda Casa Branca, Em São Paulo. Ele foi morto a tiros por agentes do DOPS comandados pelo delegado Sérgio Paranhos Fleury. Em 1996, o Ministério da Justiça reconheceu a responsabilidade do Estado pela morte de Marighella.

O escritor Carlos Marighella tem a obra poética reunida no livro “Rondó da Liberdade”. Ele também escreveu “A crise brasileira”, “Minimanual do Guerrilheiro Urbano”, “Pela Libertação do Brasil”, “Alguns Aspectos da Renda da Terra no Brasil”, “Algumas Questões Sobre as Guerrilhas no Brasil” e “Chamamento ao Povo Brasileiro”.

Isa Grinspum Ferraz nasceu no Recife em 1958 e se graduou na Universidade de São Paulo em Ciências Sociais e Filosofia. Ela trabalha como coordenadora e criadora de projetos para editoriais e televisão desde 1980. Ela trabalhou na fundação Roberto Marinho por dez anos.

Subsequentemente, ela trabalhou com Darcy Ribeiro por quatro anos, escrevendo e dirigindo a "Escola pela TV" que foi televisionada pela TV Manchete. Em 1996, coordenou o Projeto Especial Núcleo da Nova TVE. Liderou a criação de uma escola de longa distância de educação superior, primeira experiência brasileira de Universidade Aberta.

Ela é uma roteirista e escreveu o premiado vídeo “Religiões Africanas no Brasil” junto com Pierre Verger e Lina Bo Bardi. Ela também dirigiu “O Povo Brasileiro”, documentário de 2001, sobre obra homônima de Darcy Ribeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Chegou até aqui, então manda o comentário...