2 de março de 2010

Mesmo firmado em convenção coletiva, salário não pode ser menor que piso estadual

A Seção Especializada 1 (SE1), do TRT/SC, que julga ações de Dissídio Coletivo, decidiu pela aplicação do piso estadual a todos os trabalhadores, mesmo aqueles com convenção da categoria. A decisão aconteceu na segunda-feira (22), durante o julgamento de ação entre os sindicatos de trabalhadores no Comércio de Araranguá e dos Concessionários e Distribuidores de Veículos no estado de Santa Catarina.
De acordo com o juiz Gerson Taboada Conrado, presidente da Seção Especializada 1, “deve ser observado sempre o valor que seja mais benéfico ao trabalhador, ou seja, entre a lei estadual e a convenção, o que for maior”.
Este foi o primeiro dissídio julgado depois da vigência do piso estadual de salários e deve servir como orientação para os próximos. Por ampla maioria, os magistrados entenderam que a aplicação do piso é obrigatória e imediata. A lei estadual deve ser respeitada e toda e qualquer negociação deve partir deste valor.
Fonte: Assessoria de Comunicação Social do TRT/SC via site da Fecesc

2 comentários:

  1. Dia 06/03 as 14:00 vai acontecer no mercado publico de Florianópolis o 1º Santa com Humor. Será um encontro onde cartunistas de itajaá, blumenau, joinville, garopaba, floripa e outros locais vão trocar ideias, conhecimentos, em prol de uma classe unida. Participe você tbm!!!

    ResponderExcluir
  2. Dia 06/03 as 14:00 vai acontecer no mercado publico de Florianópolis o 1º Santa com Humor. Será um encontro onde cartunistas de itajaí, blumenau, joinville, garopaba, floripa e outros locais vão trocar ideias, conhecimentos, em prol de uma classe unida. Participe você tbm!!!

    ResponderExcluir

Chegou até aqui, então manda o comentário...