Pular para o conteúdo principal

Quando a neve desmente a versão oficial



Para quem disse que eram vândalos e depois mudou de ideia, voltou a chamar de arruaceiros nas recentes manifestações no Rio, e mais uma vez foi desmascarada a velha mídia demonstra que ainda não entendeu o recado das ruas.

O mídia NINJA em rede nacional desmentiu a PM do Rio e o PIG. 

Foi se o tempo em que as bocas alugadas falavam e essa versão oficial era considerada a verdade absoluta. Hoje não só a telinha do Plim plim nos informa. 

Pequenos celulares podem nos apresentar a realidade muito mais rapidamente do que as polegadas da telona.

As imagens do Morro do Cambirela, ou da Serra do Tabuleiro, por exemplo, foram vistas nos celulares, nas mídias sociais muito tempo antes das TVs. 

Horas depois a mídia convencional nos mostrou os primeiros flocos. 

Como galinhas tontas os repórteres em São Joaquim prostrados num fundo negro enquanto no planalto norte do Estado a neve branquinha já acumulava centímetros no chão.

E mais espantoso, a Serra do Tabuleiro criou o cenário que todos desejavam ali mesmo na Grande Florianópolis, em Palhoça. 

Um erro torcer para que a neve caia no Morro da Cruz e ali plantar seus repórteres. 

Antes de torcer para que a notícia caia  no seu colo é preciso ir atrás do fato, buscar a informação onde ela verdadeiramente acontece.

A neve desmentiu a versão oficial.

Isso vale para o dia-a-dia dos nossos bravos trabalhadores da comunicação. 

De nada adianta ouvir apenas uma versão, a oficial e não o contraditório. O desmentido, invariavelmente está lá na opinião disponível no site, ou Fan Page ou no twitter. 

O contraditório também tem o que dizer e cada vez mais onde dizer. 

Triste é ver os bravos coleguinhas fazendo vistas grossas para as informações que abundam na internet apresentando o contraditório da versão oficial. 

Mais ridículo fica os colunistas ou "calunistas" se utilizarem das mídias sociais apenas a seu favor e vendarem os olhos ao que incansavelmente passa na sua Time line.

Comentários

  1. líquido e certo. falei disto ontem na minha timeline. justamente sobre as noticias sobre a neve em SC. ;)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Chegou até aqui, então manda o comentário...

Postagens mais visitadas deste blog

Putinhas

Acabei de preparar e vou comê-las daqui ha uns dois dias, depois que ficarem curtidas. Batatinhas cozidas em conserva (também chamadas de putinhas) são ótimas para oferecer às visitas. A receita peguei aqui.

Veja os ingredientes

2 kg de batatas pequenas (as menores que encontrar)
500 ml de azeite de oliva
1 xícara de óleo
½ xícara de vinagre de álcool ou maçã
1 colher (sopa) de pimenta calabresa (opcional)
1 cebola grande ralada
5 dentes de alho socados
1 colher (sopa) de sal
2 xícaras de azeitonas inteiras (opcional)
1 colher (sopa) de salsa desidratada picada

Modo de Preparo

1.Deixe as batatas com casca de molho na água por 30 minutos
2.Lave - as bem, passando uma escovinha para tirar bem a sujeira
3.Cozinhe em água, sal e um pouquinho de vinagre, até ficarem bem macias (não deixe cozinhar muito, não podem ficar muito mole)
4.Escorra e espere esfriar
5.Se quiser faça uns furos nas batatas com um palito fino para os temperos penetrarem, tomando cuidado para não deformá - las
6.Em um…

Capas Pretas

No executivo, a população lida com prefeitos, governadores e o presidente eleitos. (Se elege bem ou mal está sendo cogitado). No legislativo, o povo fala com vereadores, deputados e senadores sufragados pelo voto. (Se eles representam ou não o desejo popular é motivo de duvida). No Judiciário... nos Tribunais... assistimos, um sem fim de "capas pretas" se revezando no poder. Eleitos entre si!

Embargos Infringentes

Assim como no ápice do julgamento, antes e depois dele, quando os jornais gastaram páginas e mais páginas para explicar o chamado "esquema", este é o momento de usar novamente, gráficos, tabelas, ilustrações, dados, charges, vídeos, e todos os recursos para explicar a todos o que são os tais embargos infringentes e tudo o que deles resulta. Um bom momento para uma aula, né Professor?